“Não vemos solução diplomática para o Irã”, diz diplomata russo

Político iraniano Saeed Jalili insiste: "O povo iraniano vai continuar a defender os seus direitos" Foto: Reuters

Político iraniano Saeed Jalili insiste: "O povo iraniano vai continuar a defender os seus direitos" Foto: Reuters

Vice-embaixador russo na ONU acredita que ações coletivas para conter programa nuclear uraniano estão sendo minadas por sanções unilaterais.

A Rússia não vê uma alternativa diplomática para solucionar a situação em torno do programa nuclear iraniano e adiantou ser contra sanções unilaterais impostas por alguns países.

“Não vemos qualquer alternativa para chegar a uma solução política e diplomática”, disse vice-embaixador russo na ONU, Piotr Ilitchov, durante uma sessão do Conselho de Segurança da ONU na última segunda-feira (15). “Os esforços nessa área devem proceder de princípios consistentes, de reciprocidade e conforme o Tratado de Não Proliferação.”

Ilitchov acrescentou que as ações coletivas da comunidade mundial no que diz respeito à solução de problemas relacionados ao programa nuclear iraniano são prejudicadas por sanções unilaterais.

Segundo o diplomata russo, “as sanções têm um caráter extraterritorial em alguns casos, e isso é absolutamente inaceitável do ponto de vista de vista do direito internacional”.

Nesta segunda-feira, o Conselho de Segurança da ONU ouviu o depoimento do embaixador australiano Gary Quinlan, que preside o comitê de sanções contra o Irã.

Quinlan disse, entre outras coisas, que o comitê continua examinando minuciosamente os lançamentos de mísseis Shahab-1 e Shahab-3, realizados no ano passado.

Ele admitiu, porém, que os Estados-membros do comitê – do qual Rússia e China também participam – não possuem uma opinião unânime sobre os lançamentos.

 

Publicado originalmente pela agência ITAR-TASS

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.