Ocidente barra a investigação de ataques químicos na Síria, diz diplomata russo

Debates sobre uso de armas químicas na Síria indicam que o conflito não vai chegar ao fim em um futuro próximo Foto: AFP / East News

Debates sobre uso de armas químicas na Síria indicam que o conflito não vai chegar ao fim em um futuro próximo Foto: AFP / East News

Embaixador russo na ONU acusa países ocidentais de contribuir para tirar o foco da missão das Nações Unidas.

O embaixador da Rússia na Nações Unidas, Vitáli Tchúrkin, lançou duras críticas aos países ocidentais do Conselho de Segurança da ONU, que, segundo ele, produzem afirmações minimamente verdadeiras sobre a utilização de armas químicas na Síria.

“Tem-se a impressão de que o Ocidente está tentando impedir a investigação iniciada pela ONU a pedido do governo sírio”, disse o diplomata.

"”Infelizmente, o que os nossos colegas estão fazendo aqui resume-se a tentativas de produzir uma quantidade máxima de observações poucas verdadeiras, para plantar todos os problemas na condução dessa investigação? , acrescentou.

Tchúrkin lembrou que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, havia reforçado o compromisso de se apoiar sobre evidências confiáveis quando fosse tomar a decisão de criar uma equipe de análise dos ataques suspeitos.

Sobre a “evidência confiável”, ele citou os resultados de um estudo técnico realizado pela Rússia, que confirmava a utilização de armas químicas de combate pelos militantes irreconciliáveis ​​em Khan al-Assal, perto Aleppo, em 19 de março.

Um relatório detalhado sobre o estudo foi entregue no início da semana passada ao secretário-geral e aos demais membros permanentes do Conselho de Segurança.

Diante disso, a porta-voz Departamento de Estado dos EUA, Jen Psaki, divulgou um comunicado na quarta-feira (10), onde alegava que a Rússia estava bloqueando os esforços do Conselho de Segurança da ONU para pressionar por uma “investigação independente e credível” sobre os ataques químicos na Síria.

“Essas afirmações estão em desacordo com a realidade”, disse Tchúrkin, acrescentando que a Rússia exerce todo o seu poder para ajudar na investigação instruída pelo cientista sueco Ake Sellstrom.

Tchúrkin acredita que uma decisão sobre permitir que o acesso dos inspetores à Síria permanece fora das competências do Conselho de Segurança da ONU.

“Para que isso aconteça, deve haver um acordo entre o governo da Síria e o secretariado da ONU, e foi isso mesmo o que o governo sírio tentou alcançar ao convidar especialistas em armamento químico para seu país em março", disse Tchúrkin,. “E não é nossa culpa que o governo sírio recebeu a proposta de um formato de investigação que simplesmente não podia aceitar.”

A investigação sobre o incidente de 19 de março, perto de Aleppo, perdeu o fôlego depois de os países ocidentais conseguirem impor a análise de alegações em outros incidentes em que armas químicas teriam sido usadas ​​na Síria. Os EUA, Inglaterra e França já apresentaram dados sobre dez desses incidentes – em todos eles, a culpa recai sobre o governo sírio.

 

Publicado originalmente pela agência de notícias ITAR-TASS

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.