Governo russo avalia ajuda financeira para o Egito

Protestos culminaram com queda do ex-presidente do Egito, Mohamed Mursi, no último dia 3 Foto: Reuters

Protestos culminaram com queda do ex-presidente do Egito, Mohamed Mursi, no último dia 3 Foto: Reuters

Autoridades acompanham situação do país africano diante da atual ameaça de escassez de alimentos.

A Rússia pode fornecer apoio financeiro ao Egito se o Kremlin receber um pedido de ajuda do país africano, atualmente assolado por uma grave instabilidade social.

“Eu não descarto que eles possam pedir alguma ajuda econômica, pois já fizeram isso com alguns países do Golfo”, disse o vice-chanceler russo Mikhail Bogdanov à agência RIA Nóvosti. “A economia [do Egito] está em apuros”, declarou Bogdanov, que também é enviado especial do presidente no Oriente Médio.

O novo governo do Egito, sob o presidente interino Adly Mansour, está mantendo o governo russo informado sobre a situação no país, e Moscou “vai considerar os eventuais pedidos de ajuda recebidos do país”, continuou o diplomata.

A Rússia pode canalizar alguns recursos do orçamento federal para a economia em dificuldades, embora o setor privado também pode se envolver na questão. “As empresas privadas estão estudando as condições para fornecer tal ajuda de modo que será usada de forma eficaz e dentro do quadro de desenvolvimento das nossas relações bilaterais”, afirmou Bogdanov.

Ele ressaltou que países como Arábia Saudita, Emirados Árabes e Kuwait já tinham prometido apoio financeiro ao Egito.

Os constantes protestos de rua, que resultaram na diminuição das reservas de divisas, representam uma séria ameaça para a segurança alimentar do Egito, segundo um relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura publicado na última quinta-feira (11).

O ex-presidente do Egito, Mohamed Mursi, foi deposto em 3 de julho, após dias de protestos em massa no Cairo.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.