Rússia e Estados Unidos perpetuam cooperação antidroga

Agências russa e americana ajudaram a destruir sete fábricas clandestinas de droga no Afeganistão Foto: Reuters

Agências russa e americana ajudaram a destruir sete fábricas clandestinas de droga no Afeganistão Foto: Reuters

A oitava reunião dos chefes dos serviços nacionais antidroga da Rússia e dos EUA em Sôtchi reafirmou a intenção dos dois países de estreitar a cooperação antidroga.

Na última quinta-feira (30), os diretores dos serviços antidroga da Rússia e dos EUA se manifestaram dispostos a dar continuidade à cooperação antidroga em um protocolo assinado durante a oitava reunião do grupo de trabalho realizada em Sôtchi.

“Estamos ampliando a geografia de nossas reuniões. A realização deste encontro em Sôtchi tem um significado simbólico, já que a cidade sediará os próximos Jogos Olímpicos de Inverno”, disse o diretor do Serviço Federal da Rússia para o Controle de Drogas (SFRCD), Víktor Ivanov.

Entre 2010 e 2012, as partes trabalharam juntas para coibir o tráfico de cocaína da América Latina aos EUA e à Rússia.

Os jornalistas presentes na reunião tiveram a oportunidade de ver os materiais da operação conjunta de codinome “Buxo”, realizada nos dias 22 e 23 de maio no Afeganistão. A polícia afegã auxiliada pela SFRCD e agência americana antidroga (DEA) destruiu sete fábricas clandestinas de droga na província de Badakhshan e apreendeu dezenas de quilos de heroína pronta. A operação envolveu um esquadrão de helicópteros e 70 policiais.

Tais operações se tornaram possíveis em resultado de uma estreita cooperação de quatro anos entre as agências antidroga da Rússia e dos EUA. A parceria começou após os dois países terem adotado a política de “reinício” das relações bilaterais. Desde então, as agências antidroga dos dois países tiveram oito reuniões – em Washington, Moscou, Chicago, Boston, São Petersburgo e Sôtchi.

Um dos temas centrais da reunião de Sôtchi foi o do cartel de droga mexicano Sinaloa, que foi alvo das agências antidroga russa e norte-americana, com a participação da polícia da Nicarágua. “Mas devemos continuar esse trabalho e a troca de informações”, acrescentou Ivanov. O problema do tráfico de drogas da América do Sul para a Rússia é hoje muito relevante.

Na última sexta-feira (31), os participantes da reunião visitaram o centro de reinserção social “Sôtchi sem drogas” na vila de Uch-Dere. Os temas abordados em Sôtchi serão novamente tratados na 30ª Conferência Internacional Antidroga, que acontecerá entre os dias 5 e 7 de junho em Moscou. O evento reunirá polícias de 124 países e representantes de 11 organizações internacionais.

 

Com materiais dos veículos Rossiyskaya Gazeta e Itar-Tass

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.