Ban Ki-moon elogia iniciativa russo-americana sobre a Síria

Em reunião com autoridades russas, Ban Ki-moon diz que Olimpíadas de Inverno 2014, em Sôtchi, pode ajudar a disseminar "paz no planeta" Foto: Aleksêi Drujinin/RIA Nóvosti

Em reunião com autoridades russas, Ban Ki-moon diz que Olimpíadas de Inverno 2014, em Sôtchi, pode ajudar a disseminar "paz no planeta" Foto: Aleksêi Drujinin/RIA Nóvosti

Para secretário-geral da ONU, futura conferência sobre o conflito sírio demonstra papel da Rússia como líder na solução dos problemas internacionais.

Na última sexta-feira  (17), o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se reuniu em Sôtchi com o presidente russo Vladímir Pútin e o ministro das Relações Exteriores, Serguêi Lavrov, para discutir as vias de solução do conflito sírio, que já dura mais de dois anos.

A situação no país continua no centro das atenções da comunidade internacional, especialmente depois que a Assembléia Geral da ONU aprovou uma resolução discutível sobre a Síria. Contestado pela Rússia, o documento reconhece a Coalizão Nacional Síria da Oposição e Forças Revolucionárias como “representante legítimo” do povo sírio e critica a política do governo de Assad.

De acordo com Lavrov, o secretário-geral da ONU elogiou a iniciativa russo-americana de convocar uma conferência internacional sobre a Síria em Genebra em meados de junho sob os  auspícios da ONU. “As expectativas em relação ao evento são grandes. Por isso, a conferência deve ser realizada tão logo que seja possível”, adiantou Ban Ki-moon.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, havia dito anteriormente que os EUA gostariam de ver na conferência não só representantes da oposição, mas também o próprio presidente Bashar al-Assad. Lavrov, por sua vez, considera necessário convidar também outras partes interessadas, como o Irã e a Arábia Saudita.

“Estamos interessados em fazer com que a Síria siga como país territorialmente íntegro e soberano”, adiantou o chanceler russo. Na sequência, Lavrov demonstrou insatisfação com o alvoroço criado pelos veículos ocidentais em torno dos fornecimentos de armas russas ao exército regular sírio. “Não escondemos que estamos fornecendo armas à Síria no âmbito dos contratos assinados anteriormente sem violar nossa legislação que, em matéria de controle das exportações, é uma das mais rigorosas do mundo.”

Lavrov reiterou que a Rússia tem fornecido à Síria sistemas de defesa antiaérea do tipo S-300. “Isso não afeta a relação de forças na região nem proporciona ao governo vantagens na luta contra a oposição”, disse o ministro russo.

Após a reunião com o chanceler russo, Ban Ki-moon se reuniu com o presidente Vladímir Pútin. “É um grande prazer receber o secretário-geral da ONU, organização criada pela Rússia em cooperação com seus parceiros após a Segunda Guerra Mundial. Hoje, nosso país, como membro permanente do Conselho de Segurança, está defendendo o papel central das Nações Unidas nos assuntos internacionais”, disse o presidente russo.

O secretário-geral da ONU expressou a esperança de que a Rússia continue desempenhando um papel de líder na solução dos problemas internacionais. Em setembro, o país vai sediar a cúpula do G20, em São Petersburgo, nos quais serão abordadas, entre outras coisas, questões relacionadas ao impacto do combate à corrupção sobre o crescimento econômico.

Por fim, Ban Ki-moon se manifestou satisfeito com o fato de a Rússia sediar uma conferência da ONU sobre o combate à corrupção em 2015 e acrescentou que a realização dos Jogos Olímpicos de Sôtchi, em 2014, deve contribuir para a paz no planeta. “Moscou deve apoiar a adoção pela Assembléia Geral da ONU de uma resolução pedindo cessar-fogo durante os eventos esportivos”, completou o secretário-geral da ONU.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.