Rússia está colaborando com EUA na investigação do atentado em Boston

Autoridades locais confirmam permanência de Tamerlan Tsarnaev no Daguestão, mas não acreditam em envolvimento do jovem com radicais Foto: Photoshot

Autoridades locais confirmam permanência de Tamerlan Tsarnaev no Daguestão, mas não acreditam em envolvimento do jovem com radicais Foto: Photoshot

Órgãos de segurança russos negam que responsáveis pelo ataque tivessem sido “contaminados por radicais islâmicos do Cáucaso”.

Um representante da embaixada dos Estados Unidos em Moscou comunicou à agência de notícias RIA Nóvosti que o governo russo está colaborando com o FBI na investigação dos atentados terroristas durante a maratona de Boston.

Um grupo de funcionários da missão diplomática norte-americana em Moscou dirigiu-se nos últimos dias ao Daguestão, república no sul da Rússia que faz fronteira com a Tchetchênia, para se encontrar com os pais dos suspeitos Djokhar e Tamerlan Tsarnaev.

De acordo com a imprensa russa, os diplomatas querem descobrir o que Tamerlan estava fazendo no Daguestão em 2012, ano em que passou seis meses na Rússia.

O ministro do Interior do Daguestão, Abdurachid Magomedov, adiantou que o jovem não havia entrado em contato com os islamistas do Cáucaso do Norte durante sua permanência no Daguestão.

“De acordo com os nossos dados, Tamerlan realmente esteve no Daguestão em 2012 para renovar o passaporte russo. No entanto, seu pai, Anzor Tsarnaev, disse que ele permaneceu na região por apenas três ou quatro dias e foi embora sem esperar pelo documento”, declarou Magomedov.

“Do jeito que os fatos são apresentados, parece que Tsarnaev foi contaminado por radicais islâmicos do Cáucaso, como uma tentativa de jogar a culpa nos outros”, acrescentou o ministro. A informação sobre uma suposta ligação com extremistas ainda não foi confirmada.

Anteriormente, o secretário do Conselho de Segurança da República do Daguestão, Magomed Baachilov, já havia informado que o suspeito do ataque em Boston não poderia ter sido treinado pelos extremistas no Daguestão sem chamar a atenção dos oficiais de segurança locais.

“Se esse rapaz estivesse realmente envolvido em alguma coisa e se as suas ações representassem algum perigo à segurança do país, ele não teria ultrapassado as suas fronteiras. Jamais teríamos permitido a saída de uma pessoa assim”, garantiu Baachilov.

No último dia 15, duas explosões atingiram uma multidão próxima à linha de chegada da maratona de Boston. Três pessoas morreram e cerca de 180 ficaram feridas.

No sexta-feira passada (19), a polícia prendeu Djokhar Tsarnaev, 19, e o jovem permanece  detido no hospital com ferimentos na garganta e na perna. O irmão mais velho, Tamerlan, 26, faleceu em um hospital neste mesmo dia em consequência dos ferimentos produzidos durante uma troca de tiros com a polícia.

 

Com informações da agência de notícias RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.