Pútin oferece ajuda a Boston na investigação de bombardeios

Foto: Reuters

Foto: Reuters

Em comunicado no site do Kremlin, presidente russo aconselha coordenar esforços no combate ao terrorismo.

Nesta terça-feira (16), o presidente russo Vladímir Pútin ofereceu assistência da Rússia na investigação dos atentados que ocorreram durante Maratona de Boston, deixando três mortos e mais de 140 feridos.

Pútin enviou uma mensagem ao seu homólogo norte-americano, Barack Obama, expressando suas condolências. “A Rússia está pronta para ajudar as autoridades norte-americanas com sua investigação no que for necessário”, diz um trecho da carta publicado no site do Kremlin.

“Pútin condenou veementemente o crime e expressou sua convicção de que a luta contra o terrorismo requer esforços coordenados da comunidade global”, descreve o comunicado no site do governo.

Três pessoas morreram nesta segunda-feira (15) e 144 ficaram feridas – das quais 17 em estado grave – após duas fortes explosões atingirem uma multidão perto da linha de chegada da Maratona de Boston.

Ainda não está claro quem foi o responsável pelas bombas ou as razões do atentado. Obama prometeu na noite de segunda-feira que os responsáveis ​​pelas explosões seriam perseguidos e punidos, ao afirmar que os culpados sentiriam o “peso da justiça”.

O FBI assumiu a investigação dos atentados, segundo informações de imprensa norte-americana nesta terça-feira.

“Os atentados durante a Maratona de Boston representam um alerta para a Rússia, que sediará três eventos esportivos globais no próximo ano”, declarou o ministro dos Esportes russo, Vitáli Mutko. Além dos Jogos Olímpicos de Inverno 2014, em Sôtchi, a Rússia vai abrigar o evento Universiade no Tartarstão e o Campeonato Mundial de Atletismo, em Moscou.

“Para a Rússia, que está prestes a realizar uma série de eventos de grande escala, esse é um aviso sério”, disse Mutko. “Obviamente vamos endurecer nossas medidas de segurança”, acrescentou.

 

Publicado originalmente pela RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.