“Redução de arsenais nucleares proposta pelos EUA vai contra os interesses da Rússia”

Foto: mil.ru

Foto: mil.ru

Especialista da Academia de Problemas Geopolíticos contesta sugestão do governo norte-americano para que ambas as partes limitem o número de ogivas nucleares a mil unidades.

O presidente da Academia de Problemas Geopolíticos e ex-diretor do departamento geral de cooperação militar internacional do Ministério da Defesa da Rússia, Leonid Ivachov, acredita que a redução mútua de ogivas nucleares proposta pelo vice-presidente dos EUA, Joe Biden, durante uma reunião com o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguêi Lavrov, vai contra os interesses da Rússia.

“Face ao aumento do número de elementos de defesa antimíssil e de novos tipos de armas, é do interesse dos EUA fazer com que a Rússia tenha uma quantidade de mísseis não superior à que pode ser neutralizada por seu escudo antimíssil já em fase de lançamento”, disse o general Ivachov em entrevista ao jornal russo “Izvéstia”.

“Em janeiro de 2003, o então presidente norte-americano, George W. Bush, sancionou a diretiva sobre o Ataque Global Imediato, segundo a qual vários milhares de mísseis de cruzeiro norte-americanos deveriam destruir as ogivas nucleares russas localizadas em silos”, continuou o especialista.

Segundo Ivachov, os demais mísseis russos deveriam ser interceptados por sistemas de defesa antiaérea instalados em navios.

“Os EUA possuem, desde já, 32 navios equipados com sistemas antiaéreos e pretendem aumentar seu número para 93 em 2020. Esses navios já estiveram nos Mares de Barents e Negro. Eles já têm condições de neutralizar nossa capacidade nuclear”, disse o general. “Propondo à Rússia novas reduções nucleares, eles só querem facilitar sua missão.”

Além disso, o Pentágono já deu início aos testes com uma arma climática. “O objetivo é criar nuvens artificiais para utilizá-las como lente diante de uma drástica elevação da temperatura em determinada região”, acrescentou Ivachov. “O sistema Haarp e o Serviço Meteorológico dos EUA fazem parte do Pentágono, que possui navios para testes de armas de ondas.”

A proposta dos EUA de reduzir ainda mais os arsenais nucleares dos dois países parte da tese exposta em um recente relatório do Pentágono de que o Iraque e a Síria não são mais vistos pelos EUA como inimigos. A lista dos países potencialmente perigosos para os EUA inclui apenas o Irã, China, Rússia e Coreia do Norte. Além disso, a nova redução das ogivas nucleares supostamente permitirá aos EUA diminuir seus gastos militares anuais em US$ 8 bilhões.

 

Publicado originalmente pelo Izvéstia

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.