Moscou adverte que missão francesa no Mali não deve se prolongar

Em entrevista coletiva, porta-voz da diplomacia russa reitera importância do Conselho de Segurança da ONU na resolução do conflito.

Moscou espera que a operação militar da França na República do Mali tenha caráter provisório, declarou nesta quinta-feira (21) o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Aleksandr Lukachévitch.

Acreditamos que a intervenção militar francesa ‘Serval’ é temporária e a resolução 2085 do Conselho de Segurança da ONU continua sendo o documento principal que determina as iniciativas para resolver a crise no país”, disse Lukachévitch.

O porta-voz também comentou que a Rússia presta assistência ao Exército e às agências de segurança do Mali, além de oferecer ajuda humanitária ao país. “A Rússia está aberta a uma cooperação construtiva no Conselho de Segurança para fazer o possível no que diz respeito à resolução do conflito”, acrescentou.

A situação no Mali se agravou nas últimas semanas depois de os separatistas islâmicos, que detêm o controle sobre o norte do país no autoproclamado Estado do Azawad, promoverem ataques contra as forças do governo no centro.

Em 10 de janeiro, a França, a pedido expresso das autoridades do Mali, enviou suas tropas ao país africano para deter uma ofensiva islâmica. Pelo menos 3 mil soldados franceses estão atualmente lutando em território malinês.

Soldados de países africanos também estão envolvidos na operação, como parte de uma missão conjunta da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), autorizada pelo Conselho de Segurança da ONU.


Publicado originalmente pela agência RIA Nóvosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.