10 cartazes de propaganda soviética ridicularizando o Ocidente

Domínio público
A lendária revista satírica soviética ‘Krokodil’ completa 100 anos em 2022. Ao longo dos anos, serviu como ferramenta de propaganda das autoridades soviéticas para ridicularizar e demonizar os EUA e seus aliados.

A revista ‘Krokodil’ (‘Crocodilo’, em português) era a maior publicação satírica da URSS, sendo veiculada quatro vezes por ano. Em seu auge, a circulação atingiu 6,5 milhões de exemplares. O cartaz abaixo retrata clubes policiais com inscrições “liberdade de imprensa”, “liberdade de expressão”, “igualdade”, “liberdade de reunião” e “direito ao trabalho”. A legenda diz: “Sargento, coloque os artigos básicos da nossa Constituição na cabeça dos manifestantes”.

Nos primeiros anos de existência da revista, os artistas focaram na crítica aos inimigos ideológicos do Estado soviético. No início da Segunda Guerra Mundial, o veículo focou se concentrou em ridicularizar os invasores nazistas. Mas tudo mudou quando o conflito terminou. Para a revista, a Guerra Fria forneceu um solo rico para a criatividade. O pôster abaixo mostra uma fila enorme para uma feira de empregos nos EUA e uma placa dizendo: “Sem emprego”.

As reportagens da revista soviética abordavam todas as esferas da vida no Ocidente, desde as forças armadas até a política internacional e vida cotidiana. No pôster abaixo, a revista sugere que a ONU não passa de uma ferramenta da influência global dos EUA.

Era comum que a revista apresentasse aos leitores soviéticos como era desumana a vida do outro lado da Cortina de Ferro. Este cartaz mostra uma juventude doutrinada com violência e vícios supostamente transmitidos na TV norte-americana. Isso seria um choque para os leitores na URSS, pois a TV soviética era estritamente censurada.

Rapidamente, a revista virou uma ferramenta de propaganda eficaz usada pela liderança soviética para demonizar os EUA. O pôster abaixo sugere que os EUA não deixou escolha para seus aliados da Europa Ocidental quando se tratava de implementar as armas baseadas no Velho Continente. A legenda da foto diz: “A decisão de lançar será mútua…”

Muitas ilustrações publicadas na revista afirmavam aos leitores soviéticos que a vida no Ocidente era insuportável. No pôster abaixo, uma família de londrinos aquece sua casa queimando cartazes com a manchete “Promessas dos trabalhadores”, sugerindo que os políticos ocidentais não faziam nada pelas pessoas que representavam.

Obviamente, o governo norte-americano também era ridicularizado. No pôster abaixo, um cidadão dos EUA usa cartazes políticos patrocinados pelos democratas para tapar os buracos nas paredes de sua casa. A legenda diz: “– As eleições acabaram, por que você está pregando esses cartazes nas paredes? – Para que o vento não sopre pelas frestas.”

A publicação sugeriu que cargos políticos estavam à venda nos EUA. Este pôster mostra um político se gabando de que havia acabado de comprar um cargo ministerial.

A suposta prática de usar a riqueza para obter altos cargos políticos nos EUA era um tema recorrente explorado pela publicação. A legenda aqui diz: “– Posso contar com a vitória nas eleições agora? – Claro, senhor, afinal, você tem as qualidades de um verdadeiro senador.”

Como a URSS possuía um sistema de saúde universal e gratuito, a publicação satírica não se esquivou de apontar que, no sistema capitalista, essa necessidade humana básica era paga. O pôster abaixo apresenta um médico e uma enfermeira se preparando para uma cirurgia. A legenda usa um jogo de palavras para sugerir que o médico não está tão interessado na condição do paciente quanto em seus dólares.

LEIA TAMBÉM: 5 indícios de que Maiakóvski foi a primeira estrela do hip hop

Caros leitores e leitoras,

Nosso site e nossas contas nas redes sociais estão sob ameaça de restrição ou banimento, devido às atuais circunstâncias. Portanto, para acompanhar o nosso conteúdo mais recente, basta fazer o seguinte:
Inscreva-se em nosso canal no Telegram t.me/russiabeyond_br

Assine a nossa newsletter semanal

Ative as notificações push, quando solicitado(a), em nosso site

Instale um provedor de VPN em seu computador e/ou smartphone para ter acesso ao nosso site, caso esteja bloqueado em seu país.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies