Gorbatchov completa 90 anos (FOTOS)

Getty Images
Nesta terça-feira (2), o ex-líder soviético premiado com o Nobel da paz Mikhail Gorbatchov faz anos. Celebramos com uma galeria de fotos alguns dos pontos mais memoráveis de sua trajetória.

Mikhaíl Gorbatchov nasceu em 2 de março de 1931, no mesmo ano em que Stálin, com sua “mão de ferro”, buscava liquidar o campesinato como classe: ele proibiu a propriedade privada, criando coletivos, e preparou novos atos de terror contra os discordantes. Ninguém naquela época podia imaginar que após seis décadas, não só o empreendimento privado receberia sua liberdade, como também uma dúzia de nacionalidades e repúblicas soviéticas, e tudo por causa daquele homem nascido em uma aldeia no Norte do Cáucaso.

Gorbatchov aos quatro anos.

Gorbatchov cresceu no seio de uma família camponesa comum e, na infância e na juventude, trabalhou no campo com máquinas agrícolas. Por isso, ele conheceu muito bem a coletivização estalinista. Mas seu avô era chefe de um kolkhóz (as fazendas coletivas soviéticas) e, assim, os horrores da coletivização, como a fome, as prisões arbitrárias e exílios não atingiram sua família.

Gorbatchov e Raíssa na juventude.

Após a Segunda Guerra Mundial (a aldeia deles foi ocupada pelos alemães por quatro meses), Gorbatchov terminou a escola com honras, tornou-se um ativista do Komsomol (a juventude comunista) e chegou até mesmo a receber a Bandeira Vermelha do Trabalho por ajudar com maquinário agrícola o pai em uma colheita que bateu recorde.

Em 1973, quando Gorbatchov era primeiro secretário do comitê do PCUS no Krai de Stravopol.

Posteriormente, essa experiência lhe foi muito útil. Gorbatchov foi ministro da Agricultura da URSS. Mas antes disso ele entrou na melhor instituição de ensino superior do país: na faculdade de direito da Universidade Estatal de Moscou. Já então, segundo ele, iniciou-se nele “um processo duradouro, que se estendeu por um ano, de repensar a história do país”.

Gorbatchov e Raíssa plantam árvore tradicional da  Índia em Ciampac.

Em 1950, ele conheceu sua então futura mulher, Raíssa, que foi uma verdadeira companheira de luta e sua melhor amiga. O casamento foi realizado na cantina do alojamento estudantil da universidade em 1953.

O líder cubano cubano Fidel Castro e o presidente Gorbatchov em 1989.

A carreira partidária de Gorbatchov se desenrolou rapidamente. Ele obteve a lealdade de pessoas do segundo e do terceiro ranking da hierarquia política do país após a do próprio Leonid Brejnev, secretário do Partido que o levava em alta conta. Secretamente, os chefes políticos o chamavam de “chefe de Stavropol”.

Gorbatchov e a premiê britânica Margaret Thatcher.

Gorbatchov passou a liderar o país em 1985. Ele diferia fortemente de muitos de seus antecessores no cargo de secretário do Partido — esses não podiam se gabar nem de uma grande saúde, nem de uma grande intelectualidade. O jovem (aos 54 anos de idade, ele era ainda considerado jovem pela idade média do Politburo), saudável, aberto, educado, destemido de se comunicar diretamente com o povo nas ruas, Gorbatchov era simpático ao Ocidente e à gente soviética, e tinha sede de mudança. A escritora Françoise Sagan disse sobre ele: “É demasiado inesperado o quanto ele é um homem normal”.

Comitê central do PCUS na Ucrânia se despede de Gorbatchov.

“Ao concordar então em aceitar o cargo substancialmente superior de Secretário-Geral do Comitê Central do PCUS, entendi: era impossível viver do mesmo jeito dali por diante, e não me permitiria permanecer neste cargo se não fosse apoiado na implementação de mudanças essenciais”, lembrou Gorbatchov. E as mudanças logo se seguiram.

Gorbatchov com moscovitas.

Ele chama a primeira delas de “batalha pela sobriedade”. Ele iniciou na época uma campanha contra a bebida alcoólica — um grande problema naquele momento para o país, que literalmente morria devido à vodca e outras bebidas.

Ronald Reagan com Gorbatchov em 1992 no rancho do ex-presidente norte-americano.

Ao chefiar o país, ele se encontra com o presidente dos EUA, Ronald Reagan. Os líderes das duas potências apertaram as mãos pela primeira vez em muitos anos. Este foi o início do fim da Guerra Fria e do desarmamento nuclear. A nova realidade se desenrolou rapidamente.

Gorbatchov dirige máquina de colheitadeira.

Gorbachev retirou do PCUS seu status constitucional de monopolista no sistema político e organizou uma grande limpeza de suas fileiras. Surgiram as eleições democráticas no país, a censura foi eliminada por lei, assim como outras práticas problemáticas, como o monopólio estatal do comércio exterior.

George H. Bush e Mikhail Gorbatchov.

Depois disso, ele se encontrará com líderes americanos diversas vezes. "Este cara é Perestroika!", disse Bush pai sobre ele certa vez.

Gorbatchov na Armênia em 1988 após terremoto no local.

Em 7 de abril de 1988, Gorbatchov iniciou a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão.

Gorbatchov e o líder da Alemanha Oriental Erich Honecker, em 1987.

Dois anos depois, ele teve papel fundamental na queda do Muro de Berlim e na reunificação da Alemanha. Em março de 1990, ele se tornou o primeiro (e único) presidente da URSS escolhido em eleições democráticas.

Gorbatchov entra o salão para fazer seu discurso ao receber o prêmio Nobel da Paz.

“Em reconhecimento por seu papel de liderança no processo de paz”, em 1991, Gorbatchov recebeu o Prêmio Nobel da Paz e deixou para sempre sua marca na história.

Gorbatchov e o presidente norte-americano Ronald Reagan andam na Praça Vermelha em 1988.

Mas a política de não violência e democratização dentro do país teve suas consequências: ela foi inundada por uma enxurrada de conflitos étnicos. A principal crítica contra Gorbatchov até hoje é direcionada ao fim da União Soviética.

Gorbatchov em outubro de 2006.

Após 1991 e sua renúncia, ele deixa o palco principal da política, estabelece a Fundação Gorbatchov e a Cruz Verde Internacional, e entra em forte oposição contra o primeiro presidente da Federação Russa, Borís Iéltsin. Em 2014, diante de estudantes da Universidade Estatal de Moscou, ele admitiu sua responsabilidade pela queda da União Soviética: “Tentei salvá-la, mas não consegui. [...] Sou o responsável por isso. Ninguém me demitiu, deixei o cargo porque não conseguia lidar com eles."

LEIA TAMBÉM: Os 3 principais fatores para a queda da URSS

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies