Por que o tsar Pedro era ‘o Grande’?

Getty Images; Russia beyond
Confira 5 razões pelas quais o primeiro imperador russo é lembrado como um estadista notável até os dias de hoje.

O tsar Pedro (1672-1725) foi um personagem excêntrico. Quando menino, raramente conseguia ficar parado, andava rápido e falava alto, estava constantemente em movimento. Cresceu e se tornou um homem muito alto e excepcionalmente forte, que conseguia inspirar medo em seus súditos. Pedro demostrou uma desenvoltura e inteligência extraordinárias, mas também tinha temperamento explosivo. E embora fosse um comandante de guerra e legislador proeminente, bebia muito e podia destruir qualquer um que o desobedecesse.

Mas Pedro, o Grande, recebeu esse título não por causa de suas características pessoais. Em 1721, quando o Senado Governante da Rússia Imperial “nomeou” Pedro como o primeiro imperador russo, também conferindo a ele o título de “o Grande”, isso se deu por causa de suas notáveis realizações como estadista. 

1. Ele criou a nobreza russa e a fez servir ao Estado

No final do século 17, o Estado russo entrou em crise. Uma das razões para isso foi o fato de que os cargos oficiais eram adquiridos por direito de nascença – apenas os filhos de famílias boiardas poderiam ser boiardos e ocupar cargos de comandantes militares de alto escalão ou estadistas civis. Mas, obviamente, nem todas essas pessoas eram talentosas ou corajosas. Pedro acabou com isso, e de forma muito dura.

Em 1698, Pedro executou diversos Streltsy – ex-guardas tsaristas que tentaram derrubar seu governo. Com isso, muitos boiardos de alto escalão (que se juntaram à tentativa de golpe) foram demitidos do serviço.

Em 1701, o tsar estipulou que a posse de terras só seria permitida àqueles que servissem ao Estado. “Pare de servir e você será destituído de suas terras e servos.” Pedro também instaurou convocatórias regulares da nobreza, o que ajudou a registrar todos os nobres que poderiam servir no Exército ou em instituições civis.

Além disso, pessoas que antes não eram nobres foram demonstrativamente nomeadas para a nobreza por proezas militares, tornando-os barões e condes – títulos que ele adotou da Europa. Pedro tornou a nobreza hereditária e definiu que todos os nobres servissem a partir dos 15 anos. Ao fazer isso, o tsar criou a nobreza russa que construiu a grandeza da Rússia no século 18 e além.

2. Fundou São Petersburgo, a mais europeia de todas as cidades russas

Fundação da Fortaleza de São Petersburgo por Pedro, o Grande

A maioria das antigas famílias boiardas ricas vivia em Moscou e seus arredores. Pedro entendeu que precisava de uma nova cidade grande, onde seus novos tipos de nobres se misturassem, competissem e criassem uma nova rede social. Paralelamente, a Rússia precisava de acesso ao mar e de novos laços comerciais com a Europa.

A ideia de fundar São Petersburgo, em 1703, nas terras pantanosas da Íngria (ao longo da costa sul do Golfo da Finlândia) o ajudou a atingir todos esses objetivos com uma só tacada. Moscou não perdeu sua importância como a “capital antiga” – todos os tsares russos depois que Pedro foram oficialmente coroados em Moscou, na Catedral da Dormição. No entanto, São Petersburgo, como seu criador realmente planejou, tornou-se uma cidade de aparência e organizada de maneira europeia, contribuindo para que atingisse outra meta importante do reinado de Pedro.

3. Ajudou os russos a se conectarem com os europeus

Barbeiro

Ao contrário da crença popular, Pedro não “proibiu” as barbas. A maioria dos russos eram servos camponeses, viviam no campo e seu visual barbuda permaneceu o mesmo. Mas, nas cidades, Pedro fazia os homens pagarem uma taxa substancial se quisessem continuar usando barba (isso se aplicava a todos os cidadãos, exceto o clero). Também para os cidadãos, o traje tradicional russo foi completamente banido.

Pedro entendia que, para ajudar europeus e russos a se conectarem, os russos deveriam, antes de tudo, parecer mais “europeus” – para que comerciantes russos e estudantes de direito e ciências não se destaquem nas cidades europeias por suas roupas. Então, Pedro exigiu que todos os cidadãos usassem roupas de estilo europeu.

O tsar também inundou a Rússia com estrangeiros que chegavam ao país para trabalhar – construindo navios, servindo no Exército, ensinando ciências, organizando empresas, fábricas e moinhos. Na mesma época, Pedro enviou muitos russos ao exterior para estudar, como ele próprio o fez em 1697 e 1698. Mas isso tudo não foi apenas por amizade com os europeus – em pouco tempo, desafiou o Estado europeu mais poderoso de então, a Suécia, na Grande Guerra do Norte.

4. Transformou a Rússia em uma superpotência militar europeia

Batalha de Gangut

Na Grande Guerra do Norte (1700-1721), a Suécia se opôs a uma coalizão que incluía a Rússia, o Reino da Dinamarca e Noruega, a Saxônia e a Comunidade Polaco-Lituana. O conflito se deu em torno do controle do mar Báltico e suas costas. Nesta guerra, a Rússia queria retomar seus territórios na Íngria – terras que pertenciam ao Czarado da Rússia antes do Tempo de Dificuldades no início do século 17.

Quando Pedro chegou ao poder, a Rússia tinha somente Arkhanguelsk, no Mar Branco, como seu único grande porto comercial; portanto, para o desenvolvimento do comércio naval, o acesso ao Báltico era crucial.

Para a Rússia, a guerra começou com uma derrota devastadora em Narva, em 19 de novembro de 1700. Os russos foram obrigados a se render e perderam toda a sua artilharia para os suecos. A batalha evidenciou a ineficiência do Exército russo. Depois disso, Pedro iniciou amplas reformas no Exército russo – novas formações militares, armas contemporâneas e novas táticas de campo foram empregadas com a ajuda de comandantes e engenheiros europeus.

Em 1704, os russos enfim tomaram Narva; em 1709 esmagaram os suecos na batalha de Poltava; e em 1714 derrotaram a frota sueca na Batalha de Gangut, a primeira vitória russa no mar. A guerra terminou efetivamente em 1718, quando o rei sueco Carlos 12º foi morto. Formalmente, a paz entre a Rússia e a Suécia foi forjada pelo Tratado de Nystad (1721), que selou as conquistas territoriais da Rússia na região do mar Báltico. Após a vitória sobre a Suécia, a Rússia se declarou Império Russo e Pedro adotou o título de imperador. Com o Exército reformado e um sistema de legislação contemporâneo, o império se tornou uma das superpotências da Europa.

5. Criou legislação abrangente em todas as esferas da vida russa

Além da destreza militar e mente tática, Pedro foi um gênio da legislação. Sob sua supervisão, um novo sistema de leis e estatal foi construído na Rússia. O governo seria então incorporado aos Collegiums – os predecessores dos Ministérios; o Senado Governante atuaria como a mais alta autoridade judicial, depois do imperador. A autoridade da Igreja Ortodoxa Russa sob Pedro foi subjugada ao Estado - o Santíssimo Sínodo criado em 1721 agia como o governo “laico” da Igreja, em vez de ser governada pelo Patriarca – posição esta rejeitada por Pedro.

O tsar emitiu pessoalmente numerosas ukazes (ordens) que muitas vezes regulamentavam detalhes da vida diária dos russos – não apenas barbas, mas estilos de roupas e regras de comportamento em público. Também ordenou que as mulheres russas parassem de pintar seus dentes de preto com fuligem, ensinou os cidadãos a enterrar seu lixo em locais especialmente preparados etc. Suas reformas praticamente formaram a Rússia e estiveram em vigor até 1917.

LEIA TAMBÉM: Como negros chegaram pela primeira vez à Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies