Domingo sangrento: o massacre de Novotcherkassk em 1962 que a URSS tentou encobrir

Russia beyond; Arquivo
Foram 26 mortos, dezenas de feridos, 7 executados e centenas de pessoas enviadas para a prisão. Em 1962, na cidade de Novotcherkassk, no sul da Rússia, um protesto de proletários desarmados foi violentamente reprimido pelo Exército soviético. O acontecimento foi mantido em segredo por décadas, até a queda da URSS.

Serguêi Sotnikov tinha 25 anos em 1962. Após terminar a 7ª série, começou a trabalhar como mecânico na Fábrica de Construção de Locomotivas Elétricas de Novotcherkask. Seu pai havia morrido na guerra; sua mãe era enfermeira no hospital. Sotnikov era membro do Partido Comunista, um trabalhador dedicado e pai de duas meninas. Não tinha ficha criminal. A família vivia na pobreza – quando, mais tarde, o investigador da KGB fez o inventário dos Sotnikovs, não tinha nada para descrever.

Em 1º de junho de 1962, Sotnikov estava entre os manifestantes em sua fábrica e sugeriu estimular os trabalhadores de outras indústrias a também entrarem em greve. Ele então se juntou a um grupo de operários que seguiu para outra fábrica e tentou (sem sucesso) convencer os trabalhadores de lá para aderir ao movimento.

Sotnikov foi condenado à morte por fuzilamento – um dos sete manifestantes executados pelas autoridades soviéticas após a greve na Fábrica de Construção de Locomotivas Elétricas de Novotcherkassk. A inexplicável e insana crueldade das autoridades continua sendo uma das páginas mais sombrias da história da URSS.

Todas as razões da greve

As reformas econômicas e monetárias implementadas pelo governo de Nikita Khruschov no final da década de 1950 e início da de 1960 eram bastante questionáveis. Mesmo antes da redenominação do rublo em 1961, o Ministro das Finanças Arsêni Zverev renunciou – ele achava que a proposta seria devastadora. E assim foi. Embora formalmente o dinheiro fosse redenominado em 10:1 (10 rublos se transformavam em 1 rublo), vários preços permaneceram os mesmos: alguns produtos, principalmente carne e laticínios, ficaram de 2 a 3 vezes mais caros, o que foi um duro golpe para os mais pobres do povo soviético – os operários de fábrica.

Edifício principal da Fábrica de Construção de Locomotivas Elétricas de Novotcherkassk, e parque onde iniciou o tumulto

Novotcherkassk, na região de Rostov, tinha sido a capital dos cossacos livres nos tempos pré-revolucionários. Em 1962, era uma das regiões mais pobres do país. A Fábrica de Construção de Locomotivas Elétricas de Novotcherkassk (FCLEN) estava entre as indústrias com menor financiamento na cidade. Os operários tinham condições de vida deploráveis e sequer havia moradia suficiente para suas famílias. Entre os funcionários estavam muitos ex-presidiários, que concordaram em trabalhar por salários baixíssimos. Todos esses fatores juntos se tornaram a pólvora que explodiu no início de junho de 1962. Os supervisores da fábrica e as autoridades locais não fizeram nada para evitar a revolta até que fosse tarde demais. 

Maria Antonieta soviética

Na madrugada de sexta-feira, 1º de junho de 1962, os operários da FCLEN souberam de outro aumento nos preços de laticínios e carnes. Coincidentemente (e com a conivência da administração da fábrica), os trabalhadores tinham sido informados de que os padrões de produtividade haviam aumentado, enquanto os salários permaneceriam iguais. Às 7h30, os operários da siderúrgica pararam de trabalhar e se reuniram para discutir a situação. Mas ‘discutir’ seria um eufemismo. Como o historiador Vladímir Kozlov escreve em seu livro “A URSS Desconhecida”, eles “podem ter sido bem mais incisivos do que até mesmo a KGB foi capaz de relatar” – eles começaram a xingar abertamente o governo soviético, o Partido e o próprio secretário-geral Khruschov. Naquela época, isso por si só era uma ofensa criminal.

Portão de entrada da Fábrica de Construção de Locomotivas Elétricas de Novotcherkassk

Outros operários juntaram-se aos ferreiros, e a greve continuou no parque público nas dependências da fábrica. As autoridades que instaram os trabalhadores a voltar ao trabalho foram ignoradas e agredidas verbalmente. Boris Kurotchkin, o diretor da usina, saiu para acalmar os ânimos, mas acabou dizendo algo ainda mais descabido: “Se vocês não têm dinheiro para comprar carne, comam hambúrgueres de fígado”. O insulto foi a gota d’água, Kurotchkin mal conseguiu voltar ao prédio da gerência.

Viatcheslav Tchernikh, 24 anos, cuja jovem esposa estava grávida de seu primeiro filho, disse mais tarde aos interrogadores: “Para comprar carne e manteiga, tínhamos que ir até Rostov. Por que [Novotcherkassk] era tão mal abastecida? Uma conclusão: não há atenção suficiente das autoridades quanto às necessidades dos trabalhadores.” Em 1º de junho, Tchernikh e 15 outros operários foram para a sala de controle da fábrica e acionaram o apito da fábrica em volume máximo.

Edifício principal da Fábrica de Construção de Locomotivas Elétricas de Novotcherkassk

Em cidades como Novotcherkassk, soar o apito da fábrica em um momento inusitado significava emergência. Até mesmo os trabalhadores de folga apareceram na praça da indústria, e assim começou um tumulto descontrolado.

“Vençam os comunistas!”

Ao meio-dia, havia 5.000 manifestantes perto da fábrica. Eles bloquearam a linha da ferrovia para Rostov, brecando um trem de passageiros. Alguém fez uma inscrição em giz na locomotiva: ‘Khruschov por carne!’. Os eventos se intensificaram rapidamente. “Carne, manteiga, salários mais altos”, gritava a multidão ao redor do trem. As pessoas improvisaram discursos de protesto, usando a locomotiva como tribuna. Alguns desses oradores estavam bêbados. Mas a maioria dos trabalhadores que protestavam aparentemente acreditava que as autoridades atenderiam a seus apelos. Muitos já estavam desiludidos, como uma faxineira chamada Maria Zaletina, que tinha três filhos e cujo marido havia morrido na Segunda Guerra Mundial, gritavam claramente: “Esses porcos barrigudos! Vençam os comunistas!”.

Foto rara da greve de 1962

Às 16h, as autoridades da cidade e da região, incluindo o chefe regional do Partido Comunista, Aleksandr Basov, estavam reunidas no prédio da administração da fábrica, enquanto os trabalhadores tentavam derrubar as portas. Basov tentou se dirigir à multidão enfurecida por meio de um alto-falante da varanda, mas os trabalhadores começaram a atirar pedras e garrafas. Às 20h, soldados e três veículos blindados chegaram ao local. Mas eles não atacaram os manifestantes: estavam ali apenas para desviar a atenção enquanto as autoridades fugiam da fábrica. Nem mesmo os soldados assustaram os manifestantes. Eles logo partiram, enquanto a multidão enfurecida permaneceu na praça da fábrica até tarde da noite, construindo barricadas.

Da revolta ao massacre

Nas primeiras horas da manhã de 2 de junho, tanques entraram em Novotcherkassk, assustando e enfurecendo os manifestantes. Alguns atacaram os tanques com martelos. Houve rumores de pessoas sendo esmagadas pelos veículos. Paralelamente, um grupo de altos funcionários do Partido em Moscou chegou a Novotcherkassk, incluindo o primeiro vice-primeiro-ministro Anastas Mikoian; e Frol Kozlov e Aleksandr Chelepin, os secretários do Comitê Central do Partido Comunista. A greve se tornou um motivo de preocupação nacional. No entanto, foram tomadas medidas para que o movimento não fosse divulgado fora de Novotcherkassk. Nenhum veículo de imprensa de massa ou jornal cobriu os eventos – Khruschov temia que a informação vazada pudesse indignar o povo soviético e tomar maiores proporções.

Anastas Mikoian (1895-1978)

Em 2 de junho, os trabalhadores que chegaram casualmente à fábrica viram os soldados em todas as entradas e se recusaram a começar a trabalhar “sob o cano de arma”. A greve recomeçou. Outro trem foi parado na ferrovia. Outras fábricas da cidade aderiram à greve e, por volta do meio-dia, uma vasta multidão de manifestantes dirigiu-se ao centro, mais especificamente ao edifício principal do governo de Novotcherkassk, onde estavam reunidos os funcionários do Partido. A multidão carregava bandeiras vermelhas soviéticas e o retrato de Lênin, indicando se tratar de uma greve pacífica dos proletários para exigir seus direitos. O caminho da multidão foi bloqueado por tanques, mas os trabalhadores conseguiram furar.

Edifício principal do governo de Novotcherkassk

A multidão invadiu o prédio da governo, destruindo-o e espancando os burocratas encurralados lá dentro. Eles exigiam ver Anastas Mikoian, o segundo homem mais importante no governo soviético. Mas, a essa altura, Mikoian e outros chefes do Partido haviam sido evacuados, aterrorizados pela ira dos trabalhadores. O motim prosseguiu. Foi quando 50 soldados com rifles automáticos apareceram diante da multidão. Seu comandante, o major-general Ivan Olechko, ordenou ao manifestantes que se dispersassem, mas foi recebido com gritos e ameaças. A multidão não só ignorou os apelos, como pressionou e tentou atacar os soldados.

Existem relatos diversos sobre o que aconteceu a seguir, mas a maioria das fontes alega que depois de duas saraivadas de alerta, as tropas abriram fogo contra a multidão. Até 15 manifestantes foram mortos no próprio local, e um número desconhecido deles ficou ferido. A multidão entrou em pânico e fugiu. Boatos se espalharam pela cidade de que soldados atiraram em operários desarmados durante a greve. Novotcherkassk entrou em um estado de terror silencioso. Segundo dados da KGB, citados pela historiadora Tatiana Botcharova, 26 pessoas foram mortas e 87 feridas naquele mesmo dia. Imediatamente após o tiroteio, caminhões de bombeiros entraram na praça e lavaram todo e qualquer vestígio de sangue.

Fotos de 7 operários condenados a execução após a greve: Vladímir Chuvaev (1937-1962), Serguêi Sotnikov (1937-1962), Mikhail Kuznetsov (1930-1962), Boris Mokrousov (1923-1962), Vladímir Tcherepanov (1933-1962), Andrei Korkatch (1917-1962), Aleksandr Zaitsev (1927-1962)

Mais tarde, os corpos das pessoas mortas no massacre foram enterrados anonimamente em cemitérios da região de Novotcherkassk. Jamais houve qualquer reconhecimento oficial do massacre por parte das autoridades comunistas. 

O silêncio dos culpados

Em 3 de junho, o motim enfim cessou. Apenas alguns manifestantes solitários, bêbados pelo terceiro dia consecutivo, vagavam pelas ruas, enquanto a milícia e a KGB prendiam líderes da greve. Frol Kozlov, secretário do Partido, dirigiu-se ao povo de Novotcherkassk na estação de rádio local, tentando acalmar a cidade e colocar a responsabilidade por todo o terrível evento em alguns “hooligans e instigadores”.

Enterro simbólico das vítimas do massacre de 1962 em um cemitério em Novotcherkassk, em 1994

As autoridades negaram veementemente o tiroteio – e falar sobre isso pode levar a interrogatório e prisão pela KGB. Até 4 de junho, mais de 240 pessoas foram detidas.

Mas o eventual julgamento não foi divulgado em todo o país. Aconteceu em Novotcherkassk em agosto de 1962, e as sentenças foram extremamente duras. Muitas pessoas que simplesmente estavam no local, 105 homens no total, receberam a pena de 10 a 15 anos em campos de trabalhos forçados. Sete foram condenados à execução por fuzilamento. Os acontecimentos só vieram a público  no final dos anos 1980 – e era evidente que a maioria dos documentos, fotografias e gravações de áudio relacionados aos tiroteios haviam desaparecido ou sido destruídos.

Putin em cerimônia que relembrou os mortos em 1962

Os cemitérios onde as pessoas baleadas haviam sido enterradas foram revelados somente na década de 1990, mas os corpos da maioria ainda estão desaparecidos. Nenhuma das autoridades responsáveis ​​pelos tiroteios foi condenada.

Exumação dos restos mortais de grevistas mortos, em 1994

LEIA TAMBÉM: Por que houve tanta fome em diferentes períodos da URSS?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies