3 MAIORES falhas da inteligência soviética

Russia Beyond
Recrutamento de comunistas locais foi o principal fator para fracasso das missões. Embora fossem confiáveis, estavam sob constante vigilância da polícia.

1/ O fiasco dinamarquês

O maior fracasso da inteligência soviética não ocorreu por conta da Gestapo ou da CIA, mas da modesta polícia dinamarquesa. Na literatura histórica, ficou conhecido como “o encontro de espiões”.

Copenhague, 1931

O problema se deu porque os agentes soviéticos não prestaram atenção insuficiente a uma ordem de Moscou para não recrutar comunistas dinamarqueses. Ainda que fossem leais à União Soviética, eles representavam um perigo considerável, pois eram constantemente vigiados pelas agências policiais locais.

Foi essa vigilância dos comunistas locais que levou a polícia de Copenhague a Aleksandr Ulanovski, o mestre de espionagem soviético na Dinamarca. Em 20 de fevereiro de 1935, o apartamento onde estava reunido com colegas foi invadido.

Ulanovski, três oficiais de inteligência soviéticos, bem como dez agentes estrangeiros (dois americanos e oito dinamarqueses) foram detidos. Dois dos oficiais de inteligência soviéticos não deveriam estar em Copenhague: estavam voltando da Alemanha para a URSS e simplesmente pararam para visitar um velho amigo.

Aleksandr Ulanovski

Como resultado da “reunião dos mestres de espionagem”, toda a rede de inteligência soviética na Dinamarca acabou sendo desmantelada. O país escandinavo em si não apresentava muito interesse para a União Soviética, mas, por meio dele, Moscou estava recebendo informações secretas do Terceiro Reich, para o qual – por causa do erro de Ulanovski – um novo canal teve de ser encontrado.

2/ Queda de Ramsay

Um dos mais valiosos agentes soviéticos no exterior. Desde 1933, o jornalista alemão Richard Sorge, conhecido em Moscou sob o codinome ‘Ramsay’, viveu e trabalhou no Japão, tornando-se a principal fonte de informação secreta da inteligência soviética no país oriental fechado.

Foi Sorge quem forneceu à liderança soviética, no outono de 1941, informações vitais de que o Japão não iria atacar a URSS em um futuro próximo e estava dirigindo seu ofensiva aos Estados Unidos. O Exército Soviético pôde então mover divisões da Sibéria e do Extremo Oriente para Moscou, onde eram necessárias para frustrar a ação alemã contra a capital soviética – conhecida como Operação Tufão.

No entanto, em outubro daquele ano, Ramsay foi preso. Havia muitas teorias sobre como isso aconteceu; entre elas, que suas mensagens haviam sido interceptadas e decodificadas; que ele teria sido traído por um de seus agentes; que a polícia estava vigiando os comunistas locais recrutados pela inteligência soviética e que mantinham contatos com Sorge, levando as agências japonesas de aplicação da lei até ele.

Em 18 de outubro de 1941, Richard Sorge e 24 de seus agentes foram detidos (outros sete foram presos em janeiro seguinte). A investigação durou vários anos e, em 7 de novembro de 1944, no 27º aniversário da Revolução Bolchevique, Ramsay foi enforcado no pátio da Prisão de Sugamo, em Tóquio. Após a célula de Ramsay ser destruída, a inteligência soviética perdeu, por anos, uma fonte confiável no Japão.

Richard Sorge

3/ Tentativa de assassinato de von Papen

Em 1939, a Alemanha nomeou um novo embaixador em Ancara: Franz von Papen era um político experiente e diplomata qualificado, e ex-chanceler da República de Weimar. Sua tarefa era atrair a Turquia para a guerra ao lado das potências do Eixo.

Além disso, von Papen estava fazendo seu próprio jogo. Com seus extensos laços diplomáticos, estava secretamente testando o terreno para concluir um tratado de paz entre a Alemanha e os aliados ocidentais, sem levar em conta os interesses da URSS. Ele esperava um cargo de destaque em um novo governo – sem Hitler.

Franz von Papen e família

Como a figura do embaixador alemão estava se tornando perigosa para a União Soviética, foi decidido eliminá-lo. Moscou tinha esperança de que o assassinato de von Papen não causasse apenas uma rixa entre Ancara e Berlim, mas, na melhor das hipóteses, pudesse levar a uma guerra entre os dois Estados.

Em 24 de fevereiro de 1942, Omer Tokat, recrutado pela inteligência soviética, aproximou-se de von Papen na rua. Tokat carregava uma bomba, mas esta explodiu mais cedo que o planejado, matando o agressor. O embaixador e sua esposa foram atingidos apenas por uma onda de explosão – sem ferimentos, apenas abalados.

Os serviços de segurança turcos rapidamente estabeleceram o círculo de pessoas envolvidas na tentativa de assassinato, entre as quais oficiais de inteligência soviéticos haviam desempenhado papel fundamental. Exigindo o acesso a dois funcionários da missão comercial soviética (agentes da NKVD) Leonid Kornilov e Gueórgui Mordvinov, os turcos mantiveram a embaixada soviética sitiada por dias.

Mordvinov

O tribunal condenou Kornilov e Mordvinov a 20 anos de prisão. No entanto, quando o Terceiro Reich começou a sofrer derrotas nas frentes e a Turquia passou a procurar uma aproximação com os Aliados, suas sentenças foram reduzidas. Em agosto de 1944, os dois oficiais de inteligência foram libertados e enviados de volta a Moscou.

LEIA TAMBÉM: As 3 maiores operações da KGB

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies