Rússia divulga documentos inéditos sobre batalha de Berlim (FOTOS)

Ministério da Defesa da Rússia
Como parte das celebrações do 75º aniversário da vitória na Segunda Guerra, Ministério da Defesa revela fatos e imagens inéditos sobre os últimos dias de luta.

No início de maio, o Ministério da Defesa da Rússia tirou do status de “secretos” diversos documentos históricos do Arquivo Militar Central. Foram publicados, na seção "Acordo final da Grande Guerra" no site do Ministério, relatórios dos combates, esquemas de desempenho das tropas, listas de condecorados e fotografias que revelam detalhes da batalha de Berlim, também conhecida como “Operação Ofensiva Estratégica de Berlim”.

Edificio da Gestapo.

Bandeira sobre o Reichstag

As batalhas pelo Reichstag começaram em 29 de abril de 1945. O principal prédio do Terceiro Reich foi tomado pelo 79º Corpo de Fuzileiros do 3º Exército de Ataque.

“Nas escadas e no prédio principal do Reichstag, a luta se transformou em combate corpo a corpo. A área do Reichstag foi defendida pelas melhores unidades da SS. Para reforçar a defesa dessa área, o inimigo lançou um batalhão de fuzileiros navais de paraquedas na noite de 28 de abril”, lê-se no relatório de combate da Primeira Frente Bielorrussa.

O principal símbolo da Alemanha de Hitler era um poderoso nó de resistência, um dos objetos mais importantes do sistema de defesa da cidade, cercado por valas profundas, locais de tiro para metralhadoras e artilharia. A guarnição de cerca de 1.000 soldados possuía um grande número de armas, metralhadoras e munições.

O marechal Júkov reportou então ao líder soviético Ióssif Stálin: “Continuando a ofensiva e quebrando a resistência do inimigo, as unidades do 3º Exército de Ataque ocuparam o edifício principal do Reichstag e, às 14 horas e 25 minutos de 30 de abril, ergueram ali a bandeira soviética. A ofensiva em Berlim continua..."

Os combates dentro do prédio continuaram até 1º de maio, e alguns grupos de alemães escondidos nas adegas se renderam em 2 de maio.

Bunker dinamitado.

"Esta luta não faz sentido"

O Ministério publicou a tradução da ordem do último comandante de artilharia de Berlim, general Helmut Weidling, que mandou às tropas alemãs que defendiam a cidade parar imediatamente a resistência.

“Em 30 de abril de 1945, o Führer cometeu suicídio [...] devido ao déficit de armas pesadas, munições e à situação geral, essa luta não faz sentido [...] e prolonga o terrível sofrimento dos civis em Berlim e dos feridos. Todo aquele que entrar na luta por Berlim fará um sacrifício em troca de nada  [...]; exigimos a cessação imediata da luta".

Tradução da ordem de general Helmut Weilding para o russo.

Fotografias

Além dos relatórios e traduções das ordens, o Ministério da Defesa russo publicou fotografias inéditas do edifício da Gestapo, do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, do Portão de Brandenburgo, da Ponte de Varsóvia e da fábrica Osram.

Os documentos tornados públicos também mostram que, quando as batalhas em Berlim ainda estavam em curso, o comando soviético já havia mandando organizar uma distribuição de alimentos para a população da cidade.

Reichstag após ser tomado por soviéticos, em junho de 1945 .

Os militares tiveram, para tanto, que criar um registro dos estoques de grãos, gado e batatas, definir padrões alimentares para diferentes categorias de cidadãos e introduzir um sistema de cartões de racionamento. Era necessário fornecer comida para mais de 2 milhões de civis na capital alemã.

Cálculos das necessidades alimentares da população de Berlim.
Morteiro alemão.
Abertura da primeira escola na Berlim pós-Guerra, em 17 de julho de 1945.

LEIA TAMBÉM: Como soldados nazistas marcharam por Moscou durante a 2ª Guerra

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies