Como a Guerra da Crimeia influenciou o blues do delta do Mississippi

Getty Images, Pixabay
Quem poderia imaginar que o blues e o rock’n’roll pudessem remontar à heroica defesa de Sevastópol pelas tropas russas?

A Guerra da Crimeia, travada entre a Rússia e as forças unidas da Grã-Bretanha, França e Turquia, originou diversas coisas, entre elas as balaclavas e os correspondentes de guerra.

Esta também foi a primeira guerra reportada por meio de telégrafos e fotos, e sua cobertura chegou até os Estados Unidos, onde as pessoas estavam seguindo os acontecimentos da península.

Henry Worall (1825 - 1902).

Henry Worall (1825 - 1902).

O jornalista Aleksander Zaitchik, de Nova Orleans, escreveu que Henry Worall, um professor de música nascido em Liverpool e que lecionava no Ohio Women's College, inspirou-se profundamente no heroísmo das tropas russas durante a lendária defesa de Sevastópol. Além de suas aulas diárias, Worall também escrevia apostilas para guitarristas.

Em 1856, quando a guerra terminou, Worall compôs uma música chamada “Sebastopol: A descriptive fantasy for the guitar” (em português, “Sevastópol, uma fantasia descritiva para guitarra”).

LEIA TAMBÉM: O afro-americano que foi perseguido por defender a liberdade e igualdade nos EUA após visitar a URSS

A melodia simples, tocada na chamada “afinação havaiana”, tinha a intenção de evocar o ritmo de uma marcha militar.

Elizabeth

O que contribuiu para a enorme popularidade da música foi a simplicidade dela: até mesmo iniciantes podiam tocá-la em afinação aberta.

Naquela época, a maioria dos amadores aprendia a tocar em violões do tipo “parlor” (geralmente menores que o tamanho n° 0 e que alcançaram grande popularidade entre o final do século 19 e os anos 1950).

Relativamente baratos e pequenos, os violões “parlor” vinham com livrinhos de partituras simples.

A maioria deles incluía "Sebastopol", de Worall. Assim, quem quer que tenha aprendido a tocar entre a década de 1870 e a de 1890, conhecia a música.

O título, complicado para os norte-americanos então, rapidamente se transformou em “Vastopol” e, depois, “Vestapol”. Assim, a afinação “havaiana” logo foi apelidada de “Vestapol”.

A afinação e as notas simples ganharam imensa popularidade no delta do Mississippi, onde o violão se tornou instrumento seminal para um novo tipo de música, que mais tarde foi chamado de “blues”.

Assim, a afinação de “Vestapol” usada na música virou porta de entrada para os estilos clássicos de dedilhado em violão do delta do Mississippi.

Enquanto isso, a canção continuou, recuperando sua popularidade durante a "redescoberta" do blues nos anos 1950 e 1960.

Ela foi tocada por volta do ano de 1960 pela lendária blueswoman Elizabeth "Libba" Cotten e, mais tarde, retrabalhada e popularizada pelo mestre da guitarra John Fahey, sob o título “Poor Boy’s A Long Way From Home” (apesar de existir também um edição em um disco intitulada “Siege of Sevastopol”, ou seja, “O cerco de Sevastópol”).

Mas, na raiz, a música carrega a impressão de Henry Worall de corajosos russos que defendiam bravamente o posto.

Confira a magnífica interpretação de John Fahey deste clássico:

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies