Por que o carro “mais desajeitado” da URSS era tão popular?

Reuters
O Zaporojets foi um dos modelos mais deselegantes e fracos produzidos na União Soviética, mas as pessoas ainda o amam – saiba aqui o motivo.

O Zaporojets foi um dos carros mais polêmicos já projetados na URSSS. Desajeitado, barulhento e apertado, era, porém, adequado para terrenos acidentados e muito fácil de consertar. 

Baseado no italiano Fiat-600, o Zaporojets tinha tração traseira, uma característica típica dos carros feitos nos anos 1950 e 60.

Como o porta-malas era bem pequeno, muitas vezes era necessário carregar objetos amarrados no capô. Desse modo, o carro até podia transportar uma carga enorme.

VEJA TAMBÉM Como alugar um carro na Rússia sem estresse 

Mas as desvantagens geralmente superavam as qualidades. Durante o inverno, podia ser realmente difícil iniciar o motor; já no verão, estava propenso a superaquecimento.

Outra questão era o sistema de freios do carro, pouco seguro e que tornava a direção dos Zaporojets uma espécie de desafio.

Pequeno e desconfortável, o carro de passeio da marca não foi particularmente popular quando lançada. Já os modelos para exportação – Jalta e Eliette – eram mais agradáveis ​​de dirigir.

Ambos foram amplamente vendidos para países como Bulgária, Cuba, Hungria, Iugoslávia, Finlândia e República Democrática Alemã (RDA).

Devido ao design, os vários modelos do carro tinham apelidos sarcásticos, como jubarte, orelhões e saboneteira. O líder soviético Nikita Khruschov costumava chamar o carro de “lata”.

Apesar de todos os seus problemas, o Zaporojets é considerado um dos carros soviéticos mais populares. O preço barato era um grande atrativo.

O carro custava metade do preço de um Jiguli, e apenas um terço de um Volga.

Na década de 1990, os Zaporojets eram frequentemente tema de piadas russas, que começavam assim: “Um Zaporojets desajeitado bate em um Mercedes-Benz 600…”.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies