O trágico fim dos últimos navios da Marinha Imperial Russa

Acontecimentos trágicos do início do século 20 foram um golpe duro para a Marinha Imperial Russa. País perdeu seus melhores navios de guerra durante a Guerra Russo-Japonesa e aqueles que sobreviveram a ela foram destruídos durante a Primeira Guerra Mundial e a Guerra Civil Russa. Ou até mesmo por sua própria tripulação!

Navio de guerra Osliábia

Este navio foi batizado em homenagem a um monge russo que participou na batalha de Kulikovo contra os mongóis em 1380. O Osliábia foi destruído na catastrófica Batalha de Tsushima, em 27 de maio de 1905, durante a Guerra Russo-Japonesa (1904-1905), que levou a uma derrota catastrófica da Marinha Russa.

Navio de guerra Peresvet

Este navio também recebeu o nome de um monge russo do século 14. Durante a Guerra Russo-Japonesa, o Peresvet foi danificado e capturado pelas tropas nipônicas. Na Marinha Japonesa, ele recebeu o nome de Sagami. A Rússia só conseguiu recuperá-lo em 1916. No mesmo ano, porém, o Peresvet foi destruído por uma mina alemã no Mediterrâneo.

Navio de guerra Pobeda

Como o Peresvet, o navio Pobeda (em português, “Vitória”) também se tornou um troféu japonês durante a guerra. Mas, diferentemente, do Peresvet, o Pobeda nunca foi devolvido à Rússia e serviu na Marinha Japonesa sob o nome de Suwo até 1922.

Navio de guerra Imperador Aleksandr III

Durante a Primeira Guerra Mundial e a Guerra Civil Russa, o navio Aleksandr III lutou conta os otomanos no Mar Negro antes de passar a servir à Revolução em dezembro de 1917. Após o Tratado de Brest-Litovsk (1918), o navio (agora batizado como Volia, ou seja, “vontade”) foi capturado pelo alemães, e, após a saída desses de Sevastopol, caiu nas mãos dos britânicos. Em 1920, recebeu um novo nome, “General Alekseev”, e se tornou a principal embarcação da frota branca na Guerra Civil, ajudando a evacuar as tropas brancas da Crimeia para Constantinopla.

Navio de guerra Dvenadsat Apostolov

Por 12 anos, o navio Dvenadtsat Apóstolov ("doze apóstolos", em russo) serviu sem participar de qualquer batalha ou incidente maior e, em 1911, foi retirado de serviço. Em 1925, o navio participou das filmagens de um dos mais renomados filmes russos, "O Encouraçado Potemkin", dirigido por Serguêi Eisenstein, que mostra a rebelião de 1905 em que os tripulantes do navio de guerra Potemkin se voltaram contra os oficiais superiores.

Cruzador Baián

O cruzador Baián (em português, "gaita de botão") foi construído no ano de 1900 e foi empregado durante quatro anos pela Marinha russa. Durante a batalha de Port Arthur (1904), no início da Guerra Russo-Japonesa, ele foi destruído por uma mina nipônica. Em 1905, no entanto, os japoneses resgataram e reformaram o Baián, que funcionou como minador japonês sob o nome de Aso até 1930.

Cruzador Boiárin

O cruzador Boiarin é outra vítima da Guerra Russo-Japonesa, e  afundou logo no início do conflito.

Navio de guerra Navárin

Construído em 1891, o Navárin era o navio de guerra mais poderoso da Marinha Imperial Russa. Ele foi destruído durante a batalha de Tsushima, junto a outros 20 navios de guerra russos.

Navio de guerra Imperador Aleksandr II

O Aleksandr II conseguiu sobreviver tanto à Guerra Russo-Japonesa como à Primeira Guerra Mundial, mas não à Revolução Russa. Renomeado como Zaria Svobodi (em português, “Amanhecer da Liberdade”),  ele sofreu sérios danos durante a revolta dos marinheiros da Frota Báltica em Kronstad, em março de 1921.

Cruzador Rossiya

O Rossiya (em português, “Rússia”) é um dos poucos navios que sobreviveu às guerras contra Japão e Alemanha, e foi retirado de serviço em 1922.

Cruzador blindado Admiral Nakhimov

O Admiral Nakhimov é conhecido como herói da batalha de Tsushima. Ele foi bombardeado mais de 20 vezes, resultando em 25 mortos e 51 feridos. Apesar disto, ele conseguiu afundar dois destróieres japoneses e danificou gravemente o cruzador Iwate.

Navio de defesa costeira Almirante Ushakov

Durante a Batalha de Tsushima, o Almirante Ushakov enfrentou os mais poderosos cruzadores japoneses Iwate e Yakumo. Depois de uma batalha desigual, a tripulação do navio, que foi seriamente danificado, recusou-se a se render e afundou o navio.

Cruzador Novik

Afundado em 1904 durante a Guerra Russo-Japonesa, o cruzador foi resgatado pelos japoneses em 1906 e serviu na frota japonesa sob o nome Suzuya até 2013.

Cruzador Variag

Um dos mais lendários navios russos, o Variag enfrentou seis cruzadores e oito torpedeiros japoneses no começo da guerra. Lutando contra uma tripulação muito maior que a sua e seriamente danificado, o Variag teve um triste fim: sua própria tripulação o explodiu para não se render em 9 de fevereiro de 1904.

Torpedeiro Riani

O barco torpedeiro Riani, conhecido como Sová (em português, “coruja”) até 1902, foi capturado pelos finlandeses em 1918 durante a Guerra Civil Finlandesa. Ele serviu na marinha finlandesa sob o nome S-1 até 1939.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies