5 pontos de encontro da KGB com a CIA em Moscou

Espiões transformaram capital russa em campo de combate.

Espiões transformaram capital russa em campo de combate.

Legion Media
Com a maior concentração de espiões mundial, capital russa abrigou – e abriga – os jogos de espionagem mais implacáveis. Com esta lista, seu tour por Moscou ficará ainda mais emocionante!

1. Hotel Pekin

Pekin foi o ponto de encontro onde triplo agente passava fotos de projetos bélicos soviéticos à CIA. / Foto: RIA Nôvosti / Borís Prihodko

Este complexo hoteleiro impressionante que reuniu hotel e restaurante foi construído na era Stálin e, sem dúvidas, sob a supervisão da KGB. A maior parte dos garçons e o maitre do hotel eram agentes da KGB, e tanto os quartos quanto o restaurante tinha escutas.

A KGB também usou o Pekin como seu próprio hotel, onde agentes de outras cidades soviéticas ficavam hospedados em visitas à capital.

Entre 1961 e 1962, o espião britânico Greville Maynard Wynne realizou ali encontros com o coronel da Inteligência Militar Soviética, Olég Penkóvski, que era também agente da CIA.

Penkóvski era conhecido como “Coronel das três inteligências”: a soviética, a norte-americana e a britância. Ele foi promovido a Coronel nos EUA e no Reino Unido e lhe prometeram um cargo em qualquer departamento de inteligência que ele escolhesse.

No Pekin, Penkóvski costumava passar a Wynne fotos de documentos secretos sobre sistemas de armamentos soviéticos. No total, quase 5.000 fotos foram passadas por Penkóvski.

Em troca, ele recebia novas tarefas, dinheiro e até suvenires estrangeiros.

2. Margem Kosmodamianskaia, 36

Câmera instalada em vaso de flores provou que agente entregava segredos a outros países. / Foto: google.maps

O mesmo Penkóvski vivia em um apartamento na Margem Kosmodamianskaia, 36, que então se chamava Margem Maksim Górki. Em 1963, os agentes da KGB passaram a vigiá-lo.

Para tanto, eles instalaram uma pequena câmera em um vaso de flores na varanda do apartamento acima do de Penkóvski.

A câmera provou que Penkóvski fotografava documentos secretos no peitoril da janela com sua câmera compacta Minox.

Penkóvski foi preso e sentenciado a morte no mesmo ano.

3. Ponte Krasnolujski (Ponte Lujnetsky)

Bases da ponte eram esconderijo de pedras e madeiras que serviam de contêineres para informações secretas passadas por duplo agente. / Foto: TASS / Oleg Buldakov

A ponte Krasnolujski, no sudoeste de Moscou, era o ponto de encontro entre agentes da CIA e o funcionário do Ministério Soviético das Relações Internacionais, Aleksandr Ogorodnik. Ele foi recrutado pela inteligência dos EUA em 1974 enquanto trabalhava em Columbia.

As informações secretas entre Ogorodnik e a CIA eram transferidas em pedras ou barras de madeira que serviam de contêineres. Eles eram escondidos nos apoios da ponte.

Ogorodnik foi preso em 22 de junho de 1977, mas conseguiu se suicidar. A KGB garantiu que a CIA não soubesse de sua morte. O jogo tinha que continuar. 

Em 15 de julho de 1977, a funcionária da embaixada norte-americana e agente da CIA Martha Peterson tentou esconder um contêiner para Ogorodnik na Ponte Krasnolujski, mas foi capturada por agentes da KGB. No dia seguinte, ela foi expulsa da União Soviética.

A Ponte Krasnolujski foi substituída pela nova Ponte Lujnetski no começo dos anos 2000. Mas os velhos apoios da ponte continuam lá, inclusive aqueles que um dia esconderam contêineres com informações secretas. 

4. Plataforma de trem Severianin

Pedra falsa escondida na plataforma continha dinheiro suficiente para comprar quatro carros. / Foto: Wikipedia

Em 1985, a KGB seguiu o agente da CIA Paul Zalaki, que escondeu uma pedra-contêiner próxima à plataforma de trem Severianin, na linha entre Moscou e Iaroslav.

Semanas depois, agentes da inteligência soviética capturaram Leonid Poleshuk, funcionário da KGB e agente da CIA que havia aparecido para pegar o contêiner. Poleshuk empreendeu vasta atividade passando informação sobre agentes soviéticos no Nepal e na Nigéria aos EUA.

O contêiner estava cheio de dinheiro – 25 mil rublos, o suficiente, naquele tempo, para comprar quatro carros. Era o pagamento da CIA a Poleshuk por seus serviços.

Leonid Poleshuk foi executado em 1986. 

5. Catedral de São Basílio

Agente chegou à catedral para receber instruções de fuga e... ela estava fechada! / Foto: Serguêi Kiselióv/Moskva Agency

A primeira vista, a Catedral de São Basílio, localizada na Praça Vermelha, no coração de Moscou, dificilmente pareceria um bom ponto para agentes da CIA. Mas era.

Uma escadaria sinuosa do primeiro para o segundo andar foi o local ideal para passar discretamente uma nota. Além disso, os diplomatas estrangeiros que saíam do centro de Moscou poderiam provocar suspeita.

Em 1958, o coronel da KGB e agente do MI6 Oleg Gordievski se preparava para fugir da União Soviética. Ele devia se encontrar com um agente estrangeiro na catedral para receber instruções, mas ela estava fechada.

Mesmo assim,  Gordievski conseguiu despistar os agentes que o vigiavam e fugiu para o Reino Unido. Ele foi sentenciado à morte por traição, mesmo ausente. Até hoje, ele é um dos poucos que conseguiu se safar da execução.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.