Neste dia: Começava construção de arranha-céus stalinistas em Moscou

Universidade Estatal de Moscou

Universidade Estatal de Moscou

Agência Moskva
Conhecidos como Sete Irmãs, edifícios levaram sete anos para conclusão.

No início de 1947, o Conselho de Ministros aprovou uma resolução para a construção de sete arranha-céus em Moscou. Em 7 de setembro, antes da celebração dos 800 anos da capital, foi realizada à 1 da tarde a cerimônia de lançamento da pedra fundamental.

O primeiro arranha-céu de Moscou foi concluído em 1949, e o último, em 1954. Mais tarde, esses edifícios, conhecidos como as Sete Irmãs, tornaram-se exemplares famosos da arquitetura stalinista e símbolos definidores de Moscou: a Universidade Estatal de Moscou (com 240 m de altura), na Colina das Andorinhas; o Ministério dos Negócios Estrangeiros; o Ministério dos Transportes; dois edifícios residenciais; o Hotel Ucrânia; e a ‘irmã mais nova’, o Hotel Leningrado (135 m).

A construção de todos os arranha-céus só foi concluída sob o governo de Khruschov. Mas o edifício mais opulento de todos (o número oito), que deveria estar situado ao lado da Praça Vermelha, nunca saiu do papel. A construção do Palácio dos Sovietes (de 420 metros e que seria coroado com uma estátua de Lênin de 100 metros) fora suspensa durante a guerra. No lugar do palácio, foi construída uma enorme piscina externa aquecida. Na década de 1990, a piscina acabou sendo substituída pela Catedral de Cristo Salvador (cuja original havia sido derrubada por Stálin em 1931).

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.