Capitão da seleção russa de futebol russo é afastado por vídeo de masturbação

AP
Um vídeo íntimo de Artiom Dziuba vazou na internet e ele acabou punido por isso. A comunidade esportiva parece ter apoiado a decisão, apesar do repúdio do público.

“Não sou perfeito e cometo erros como todo mundo. E todos somos pecadores, infelizmente. Por isso, tenho, talvez, muita culpa nisso. E só posso culpar a mim mesmo”, anunciou o capitão da seleção russa de futebol, Artiom Dziuba, em uma mensagem de vídeo quase religiosa em que explica o incidente de um vídeo seu se masturbando ter vazado na internet.

A declaração ocorreu depois que um vídeo de Dziuba se masturbando começou a ser enviado em vários canais de fofocas de artistas do aplicativo de mensagens Telegram e na plataforma Twitter na noite de 8 de novembro. Ainda não se sabe quem vazou o vídeo íntimo do jogador.

Poucos dias antes do incidente, o telefone do jogador foi hackeado e ele limpou sua memória, de acordo com o canal de fofocas “Baza”. Os hackers não o contataram em busca de dinheiro, mas publicaram imediatamente o vídeo.

Consequências imediatas

No mesmo dia, Dziuba deveria ser capitão no jogo do “Zenit” de São Petersburgo contra o “Krasnodar”. Mas, antes mesmo da partida, ele foi destituído da braçadeira de capitão.

“A vida privada dos jogadores não deve ser conhecimento público e objeto de discussão”, disse o diretor-geral do “Zenit”, Aleksander Medvedev, aplicando uma sanção ao jogador.

No mesmo dia, o técnico da seleção nacional, Stanislav Tchertchessov, dispensou o atacante da seleção nacional em todos os jogos de novembro. “Sempre enfatizamos que, tanto no campo quanto fora dele, os jogadores devem fazer jus ao nível da seleção nacional”, comentou Tchertchessov. Ele afirmou ainda que a decisão foi tomada para “proteger tanto a equipe, quanto o jogador de futebol de negatividade e estresse desnecessários”.

A decisão teve apoio da Federação Russa de Futebol. “Muitos diziam que ele estava cansado, que não estava muito pronto. Agora é a hora de recarregar as energias. Mas não posso adivinhar se ele vai voltar para a seleção”, disse Andrêi Sozin, membro do comitê de ética.

Para Dziuba, o jogo contra o “Krasnodar” foi o mais difícil de sua carreira. “Como já tinha entrado nesse inferno, não consegui nem conter minhas emoções no carro na volta”, declarou.

Apoio geral externo

Na internet, as sanções contra o jogador foram discutidas como uma ação sem sentido. Jornalistas, apresentadores de TV, escritores e outros famosos falaram a seu favor.

“Essa história com o Dziuba é asquerosa. Não pelo que ele fez (e o que é que ele fez?), mas por causa do que fizeram com ele. Mesmo nunca tendo filmado qualquer intimidade, estou chocada que Dziuba seja incriminado por ter uma vida íntima que ele seuqer pretendia demonstrar publicamente. Que hipocrisia!”, escreveu Margarita Simonian, editora-chefe da TV Russia Today.

A apresentadora de TV Ksenia Sobtchak, que foi candidata à presidência nas últimas eleições russas, relembrou do caso de Jeffrey Toobin, repórter do The New Yorker, que também foi afastado em outubro de 2020 por se masturbar durante uma ligação por Zoom com colegas.

“A que The New Yorker suspendeu seu jornalista mais bacana por se masturbar no Zoom depois da reunião de editores, esquecendo de desligar o programa. Ele foi dispensado e disseram que o conselho editorial investigaria o ocorrido. Parecia que um absurdo desses nunca aconteceria aqui. Mas, de repente, decidem punir um atleta talentoso por um vídeo pessoal", escreveu Sobtchak no Instagram, comparando os " novos padrões éticos" com os da URSS.

A diretora do canal federal “Match TV”, Tina Kandelaki, fez menção ao o direito à privacidade: “Quero colocar os pontos nos ‘is’ de novo: Artiom Dziuba tem culpa de nada. Ele não encomendou uma filmagem cerimonial da festa com champanhe a US$ 500 a garrafa, não quebrou o vestiário e não dilacerou o tendão de alguém em uma disputa. Respeitar a vida privada de alguém também significa que esta vida privada não seja discutida, mesmo quando você vê o próprio vídeo, um artigo ou uma postagem no Telegram”, disse, acrescentando que o jogador não deveria sofrer punição.

Mas o incidente atraiu muita atenção nas redes sociais, gerando uma onda de memes e tuítes espirituosos, assim como a hashtag #YamyDziuba, usada por celebridades russas que passaram a subir suas próprias fotos nuas na rede.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies