Rússia desaconselha viagens a Itália; tráfego aéreo com Coreia do Sul será suspenso

Komsomolskaya Pravda/Global Look Press
Governo russo divulga novas medidas e recomendações para reduzir risco de propagação de coronavírus no país. Quase 100% da população afirma estar “ciente do perigo”.

Evite viajar para a Itália, Coreia do Sul e Irã “até que a situação epidemiológica se estabilize”. A recomendação foi divulgada nesta semana pelo Rospotrebnadzor, órgão de segurança do consumidor russo, que já havia desaconselhado viagens para a China com o intuito de reduzir o risco de contágio pelo coronavírus.

Quase dois meses após os primeiros casos de infecção pelo vírus na China, 99% dos russos dizem estar cientes do perigo, e metade deles (52%) confessa temer a infecção, segundo pesquisa conduzida pelo Centro de Estudo de Opinião Pública (VTsIOM).

Ainda assim, os índices de preocupação na Rússia permanecem bastante moderados: apenas um em cada dez entrevistados (11%) acredita que o risco de infecção é alto, e 60% dos russos acham que as chances de contrair o vírus são baixas. Quase um terço da população (28%) está convencido de que não há perigo para si ou entes queridos.

Paralelamente, 64% dos entrevistados, sobretudo jovens entre 18 e 24 anos, acreditam ser possível se proteger da epidemia; entre as medidas citadas para interromper a disseminação do vírus estão lavar as mãos com frequência e aumentar a conscientização sobre a higiene (37%), evitar locais lotados (32%), usar máscara (23%), e não fazer viagens para China e ou para exterior em geral (11%).

LEIA TAMBÉM: China trata coronavírus com medicamento controverso da época soviética

Além disso, mais da metade dos russos (67%) acredita que, no caso de uma ameaça real, os serviços médicos e epidemiológicos do país seriam capazes de proteger a população da propagação do coronavírus; 28%, porém, mantêm ceticismo sobre o assunto.

Paralelamente às recomendações de viagem, a Rússia anunciou que irá interromper voos para a Coreia do Sul em 1º de março – medida que já havia sido adotada em relação à China. Até agora, dois casos de infecção foram relatados na Rússia, sem vítimas fatais.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies