Brasileiro completa 9.000 km de bicicleta pela transiberiana

Apesar do estereótipos de que está sempre nevando na Sibéria, os verões na região tendem a ser quentes. E o de 2017 não foi exceção em diversos momentos.

Apesar do estereótipos de que está sempre nevando na Sibéria, os verões na região tendem a ser quentes. E o de 2017 não foi exceção em diversos momentos.

Reuters
Apenas 3 dos 10 competidores que iniciaram a corrida em Moscou cruzaram a linha de chegada nesta quinta (10), em Vladivostok, no Extremo Oriente russo.
Muitas pessoas sonham em fazer a viagem completa de Moscou a Vladivostok pela Ferrovia Transiberiana. Mas você topar trilhar esses 9.000 km de bicicleta?
Foi o que fizeram os dez aventureiros (duas mulheres e oito homens, incluindo um brasileiro) que decidiram participar da Red Bull Trans-Siberian Extreme Race.
Além do brasileiro Marcelo Florentino Soares e de russos, havia competidores da Dinamarca, da Alemanha, da Irlanda, das Filipinas e dos EUA.
Para cruzar de oeste a leste foram necessários 24 dias.
Entre algumas horas de descanso, a maior parte do dia era passada na estrada.
Nesta foto, o dinamarquês Peter Sandholt descansa durante o 9º estágio da corrida, de Krasnoiarsk a Irkutsk. Até então já tinham se passado 12 dias e mais de 4.000 km.
Os ciclistas partiram de Moscou no último dia 18 de julho. A primeira parte da jornada cobriu 375 km, uma distância pequena considerando a escala total da viagem. Apenas duas outras partes – 330 km de Perm a Iekaterinburgo, e 313 km de Iekaterinburgo a Tiumen – foram ainda menores.
A seção mais longa da rota foi de 1.368 km, entre Tchita e Svobodni. O russo Aleksêi Schebelin foi o primeiro ciclista a completar esse trecho, em cerca de 52 horas. Na foto, porém, está o brasileiro Marcelo Florentino Soares descansando após essa etapa.
Os ciclistas puderam observar lugares remotos e paisagens fotográficas não da janela de um trem, mas parando para admirar e sentir o lugar. Essa foto foi tirada no trecho de Ulan-Ude para Tchita, e é possível ver o lago Baikal por trás dos participantes.
A prova disso é esse ‘bronzeado de ciclista’ de Schebelin, após chegar em primeiro no trecho Krasnoiarsk-Irkutsk (1045 km).
O trajeto entre Krasnoiarsk e Irkutsk leva cerca de 14 horas de carro; os ciclistas conseguiram completá-lo em 35 a 37 horas, pedalando a uma velocidade média em torno de 29 quilômetros por hora.
Um carro equipado com água, comida, cuidados médicos e até bicicletas extras acompanhou os participantes durante todo o percurso. Na foto está o alemão Pierre Bischoff durante o 11º estágio da corrida, de Ulan-Ude a Tchita.
A corrida começa de manhã cedo e ia até tarde da noite – inclusive, no escuro.
Apenas três cliclistas – o russo Aleksêi Schebelin, o alemão Pierre Bischoff e o brasileiros Marcelo Florentino Soares, completaram o trajeto nesta quinta (10). Schebelin, porém, foi o grande vencedor da corrida.