Violência no estádios: casos marcantes desde 2002

Cerca de 40 torcedores russos envolvidos em brigas foram expulsos da França

Cerca de 40 torcedores russos envolvidos em brigas foram expulsos da França

AP
Seleção russa foi ameaçada de desclassificação da Eurocopa 2016, após briga de torcedores na França. Violência registrada antes e após partida com Inglaterra não é novidade para os russos, que já estiveram no centro de escândalos em ocasiões anteriores.

A seleção nacional russa teve um começo bem-sucedido na Eurocopa 2016, conseguindo o empate com a Inglaterra, graças a um gol marcado pelo zagueiro veterano Vassíli Berezútski nos acréscimos. No entanto, a atenção da mídia e do público não se fixou na partida de 11 de junho, em Marselha, mas nos confrontos entre torcedores antes e após o término do jogo.

Como resultado das brigas, que deixaram quase 30 pessoas feridas, a Uefa ameaçou as seleções da Inglaterra e da Rússia com “desclassificação (...) em caso de novos episódios de violência” dos torcedores das duas equipes. Além disso, a União Russa de Futebol foi multada em 150 mil euros pelo comportamento dos torcedores no estádio.

2002: Quebradeira sob os muros do Kremlin

A football fan shouts in front of a burning car in central Moscow June 9, 2002. Source: ReutersDestruição de carros pós-partido teria sido estimulado por filme dos irmãos Coen Foto: Reuters

Durante a Copa do Mundo de 2002, a exibição pública da partida entre Rússia e Japão em um telão instalado na praça em Manej, no centro de Moscou, terminou em tragédia. A multidão russa, enfurecida pela derrota, saiu quebrando vitrines e virando carros de cabeça para baixo.

A confusão bem ao lado do Kremlin continuou por várias horas. Segundo o relatório oficial, a agressão dos torcedores foi provocado por um comercial com uma cena do filme “O Grande Lebowski”, dos irmãos Coen, em que um personagem quebra um carro com um objeto pesado.

Football fans wreck a car in central Moscow, on June 9, 200. Source: ReutersTorcedores descontaram raiva de derrota em veículos estacionados no centro da capital Foto: Reuters

Na ocasião, um estudante de 17 anos de idade morreu e dezenas de pessoas ficaram feridas, incluindo várias de aparência asiática.

Desde então, as autoridades proibiram a exibição de jogos em telões no centro de Moscou.

2010: Torcedores X Migrantes

Oito anos depois, em dezembro de 2010, a praça Manej voltou a ser o palco para o ódio entre os torcedores. Desta vez, a agressão teve alvo certo: os trabalhadores migrantes do Cáucaso do Norte e da Ásia Central.

O evento foi desencadeado pelo assassinato do torcedor do Spartak Moscou, Ígor Sviridov, 28, na periferia da capital por um grupo de jovens oriundos do Cáucaso. Os torcedores do Spartak ficaram particularmente indignados com o fato de a polícia ter liberado cinco dos seis agressores.

Protesters chant slogans as they gathered in central Moscow's Manege Square to remember Yegor Sviridov. Source: Maxim Shemetov/TASSReunidos ao lado do Kremlin, manifestantes entoaram palavras de ordem em memória de Sviridov Foto: Maksim Chemetov/TASS

Depois de se organizarem nas redes sociais, os torcedores da equipe moscovita se reuniram no centro da capital. Entoando slogans nacionalistas, jogavam garrafas e pedras contra a polícia, além de espalhar fogo pela área. Os confrontos locais entre os torcedores continuou por vários dias, e não só em Moscou, mas também em outras cidades russas.

Todas as pessoas ligadas ao assassinato de Sviridov acabaram sendo condenadas e, daquele momento em diante, os torcedores ganharam de status de ‘força política poderosa’. Os grupos de torcedores nacionalistas foram, mais tarde, também responsáveis ​​pelos tumultos antimigrantes no bairro residencial de Biriulevo, no sul de Moscou, em outubro de 2013.

2012: Briga exportada para Varsóvia

Os torcedores russos voltaram a estampar a capa de jornais e sites em todo o mundo após um dos episódios mais desagradáveis ​​da Eurocopa 2012, que foi sediado por Polônia e Ucrânia.

Em 12 de junho, dia da partida entre as seleções russa e polonesa, ainda na fase de grupos, Varsóvia assistiu a uma verdadeira guerra nas ruas, com lutas, cordões policiais, gás lacrimogêneo e canhões de água, enquanto os torcedores russos marchavam pelo centro da cidade para comemorar o Dia da Rússia. A procissão, que foi vista como uma provocação desnecessária, dada a histórica inimizade entre as duas nações, transformou-se em uma briga com os locais.

Durante o jogo, os torcedores de ambos os países se insultaram e entraram em confronto com a polícia. No entanto, uma confusão ainda maior ocorreu na noite após o jogo, que terminou em empate (1-1). Segundo relatos de torcedores russos, os radicais poloneses teriam começado a caçá-los, atacando-os indiscriminadamente em grupos de 8 a 10 pessoas.

Cerca de 140 pessoas ficaram seriamente feridas naquela noite, e os policiais prenderam dezenas de agressores. Os torcedores poloneses receberam multas e suspensões de jogos, enquanto os os hooligans russos foram deportados da Polônia.

A Polish supporter (right) challenges Russian football fans in Warsaw June 12, 2012. Source: ReutersTorcedores russos e poloneses em atrito após desfile improvisado pelo Dia da Rússia, em 2012 Foto: Reuters

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail?   
Clique aqui para assinar nossa newsletter. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.