Copa de 2018 reverte US$ 5 bilhões para obras de transporte

Com estádio em construção, Samara teve aeroporto reformado para receber o Mundial

Com estádio em construção, Samara teve aeroporto reformado para receber o Mundial

Iúri Streletc / RIA Nôvosti
Investimento, sobretudo em estradas e aeroportos, representa metade de verba total para os preparativos do torneio. Promessa é que torcedores tenham passagem gratuita internamente e entre cidades.

Dos US$ 10 bilhões alocados pelo governo russo para os preparativos da infraestrutura da Copa do Mundo de 2018, metade do valor foi destinado para o desenvolvimento e reforma de meios e vias de transporte, ampliando o sistema de transporte russo para o Mundial.

Mais de 100 estruturas, sobretudo aeroportos e estradas, estão sendo reformadas ou construídas do zero para receber o torneio de futebol, que será realizado em 12 estádios de 11 cidades russas.

Com variação de três fusos horários, a distância média entre as cidades que vão receber as partidas é de 600 km. Já entre Iekaterinburgo e Kaliningrado, a sede mais oriental e a mais ocidental do país, são cerca de 3.000 quilômetros.

Parte do trabalho já está concluída, segundo o ministro dos Transportes russo, Nikolai Assaul. Entre os aeroportos que passaram por extensa reforma estão o Pulkovo, em São Petersburgo, e o de Samara. Ambos ganharam novos terminais para receber o aumento de fluxo doméstico.

No interior do país, a manutenção e a aceleração do desenvolvimento de estradas vai melhorar a conectividade para a Copa de 2018 e deixará legado para a população local. Em Iekaterinburgo, nos Urais, foi concluída a construção de um anel viário que havia sido iniciada ainda em 1994.

Embora a crise econômica não tenha afetado o planejamento dos transportes para o Mundial, o orçamento geral sofreu dois cortes este ano. No primeiro, em junho, US$ 450 mil de gastos com hotéis foram cancelados; no segundo, em agosto, soluções de infraestrutura geral permitiram o corte de quase US$ 1,3 milhão.

Fluxo de pessoas

A deslocação de torcedores dentro das cidades-sede será feita pelo método padrão para tais casos: transporte público e ônibus do tipo “shuttle”.

“Nas grandes cidades, onde há metrô, como Moscou, São Petersburgo e Kazan, os torcedores – estima-se de 50 a 80 mil pessoas – irão se integrar no fluxo de passageiros”, prevê Konstantin Trofímenko, que dirige o Centro de Estudos de Problemas de Transporte em Megacidades, da Escola Superior de Economia de Moscou.

“Em outras cidades, a principal aposta serão os ônibus”, diz. “A Fifa tem instruções detalhadas de como deve ser organizado o apoio dos transportes. É um procedimento padrão, por isso, na Rússia será organizado da mesma forma que foi na Alemanha, no Brasil e na África do Sul".

Trofímenko destacou ainda que a Rússia deve seguir o exemplo do Brasil, onde algumas cidades-sede da Copa tiveram transporte gratuito para torcedores. O benefício será novamente aplicado durante os Jogos da Rio-2016 tanto no Rio de Janeiro, como nas outras cinco cidades envolvidas no Mundial.

Durante a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, o chefe do Comitê Organizador russo, Aleksêi Sorôkin chegou a anunciar que os torcedores com ingressos para jogos da Copa do Mundo de 2018 teriam transporte gratuito entre as cidades-sede. “Viagens grátis foi uma garantia que assinamos quando apresentamos nossa candidatura", disse o dirigente, na ocasião.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.