Após suspensão, comitê olímpico anuncia ampla reforma

Segundo Iaaf, suspensão só será revogada se a Rússia seguir uma lista de critérios definidos pelo órgão

Segundo Iaaf, suspensão só será revogada se a Rússia seguir uma lista de critérios definidos pelo órgão

Reuters
Autoridades planejam reformas no controle antidoping, depois de país perder o direito de sediar grandes torneios internacionais de atletismo. Até nova definição, atletas russos permanecem fora da Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro.

O Comitê Olímpico russo anunciou que vai liderar os esforços para reformar a federação de atletismo e reforçar o controle antidoping no país, após os dirigentes da Iaaf (Associação Internacional das Federações de Atletismo) votarem pela suspensão da Rússia de todos os eventos internacionais de atletismo, na sexta-feira (13).

“O Comitê Olímpico russo está pronto para tomar as rédeas da reforma na Araf [Federação Russa de Atletismo] e alinhá-la às exigências da Iaaf e da legislação antidoping, disse neste sábado (14) o diretor do comitê, Aleksandr Jukov, citado pela agência de notícias esportivas R-Sport.

“Isso deve ser feito de forma eficiente e o mais rápido possível, para garantir que os nossos atletas participem dos Jogos Olímpicos.”

O presidente interino da Araf, Vadim Zelitchenok, qualificou a proibição imposta pela Iaaf como “severa”, mas disse estar preparado para renunciar a seu cargo caso isso ajude o atletismo russo a se recuperar do escândalo.

“Penso que o conselho da Iaaf tomou uma decisão muito séria”, disse Zelitchenok, citado por agências de notícias.

O presidente da Iaaf, Sebastian Coe, declarou que as sanções só serão levantadas se a Rússia seguir uma lista de critérios, mas alertou contra afirmações de que a medida será certamente revogada antes da Rio-2016.

A Iaaf também proibiu a Rússia de sediar grandes eventos esportivos, incluindo a Copa do Mundo de Marcha Atlética, em Tcheboksari, e o Mundial de Atletismo júnior, em Kazan.

Apesar do cenário delicado, outras autoridades russas garantiram que a suspensão seria rapidamente revogada e sugeriram um possível apelo junto ao Tribunal Arbitral do Esporte, em Lausanne.

“É uma decisão previsível e compreensível”, disse o ministro dos Esportes russo, Vitáli Mutko, à agência R-Sport. “Precisamos entender o que eles querem e onde veem ameaças. Vamos desenvolver um roteiro conjunto e tentar aplicá-lo rapidamente. Penso que podemos fazer todo o trabalho em dois ou três meses.”

Mutko e membros Araf irão se reunir para uma reunião de emergência neste domingo (15), segundo informações da agência de notícias Tass.

Escândalo

Na segunda-feira passada (9), a Agência Mundial Antidoping (WADA, na sigla em inglês) apresentou um relatório alegando uma possível participação do FSB (Serviço Federal de Segurança da Rússia, órgão que sucedeu a KGB) no encobrimento de casos de doping na Rússia.

Um laboratório moscovita de análise antidoping teve sua licença de funcionamento suspensa no dia seguinte, e a agência mundial recomendou o afastamento vitalício de cinco esportistas russos, incluindo a campeã olímpica em Londres nos 800 metros, Maria Savínova.

“Quando ocorre um isolamento, isso é ruim para todos. Nós não somos os únicos com problemas no atletismo. Não podemos colocar todos os problemas do atletismo na Rússia”, disse Mutko, logo após o escândalo vir à tona.

Também após a divulgação do relatório, o presidente russo Vladímir Pútin instruiu a pasta dos Esportes a conduzir uma investigação própria.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.