Apesar de crise do rublo, país não descarta planos de sediar Copa de 2018

Imagem em 3D do estádio Baltika, em Kaliningrado Foto: TASS

Imagem em 3D do estádio Baltika, em Kaliningrado Foto: TASS

Em meio à crise do rublo, presidente da Federação Russa de Futebol descartou desistência do evento. Pútin já havia declarado que realização do Mundial de 2018 representa um “contexto complexo”, porém administrável.

A Rússia não considera a possibilidade de desistir da Copa do Mundo de 2018, apesar da difícil situação financeira no país causada pela queda do rublo. A declaração foi feita por Nikolai Tolstikh, presidente da Federação Russa de Futebol, nesta terça-feira (16).

“A desistência da Rússia de sediar a Copa do Mundo está fora de questão”, disse Tolstikh a jornalistas. A taxa de câmbio do rublo despencou nas últimas semanas, batendo o recorde de baixa de 75 rublos por dólar nesta terça.

O orçamento total, na faixa de 664 bilhões de rublos, para a organização do Mundial de 2018 na Rússia foi anunciado em 2012. Esta quantia correspondia a 20,5 bilhões dólares americanos com base na cotação média de 2012. Se convertido para a taxa de câmbio atual, esse número cai para US$ 9,1 bilhões.

O presidente russo Vladímir Pútin disse, em agosto passado, que a preparação de 12 estádios pelas 11 cidades-sede da Copa de 2018 não seria alterada. Segundo ele, as despesas financeiras para os preparativos do evento fazem parte de um “contexto complexo”, porém administrável.

As 11 cidades russas que sediarão jogos da Copa em 2018 são: Moscou, São Petersburgo, Sôtchi, Kazan, Saransk, Kaliningrado, Volgogrado, Rostov-no-Don, Nijni Novgorod, Iekaterinburgo e Samara.

 

Publicado originalmente pela agência Tass

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.