Jovens iatistas russos estão ansiosos para entrar na elite do esporte

O Gazprom Youth Sailing Challenge é o único  programa privado na Rússia  de apoio para velejadores Foto: Press Photo

O Gazprom Youth Sailing Challenge é o único programa privado na Rússia de apoio para velejadores Foto: Press Photo

Atletas do país participaram da prestigiosa regata Copa del Rey e mostraram que podem atuar em um nível mais elevado de competição.

Céu sem nuvens, brisa leve do mar e a língua russa: serão essas as lembranças de Palma de Mallorca sobre a primeira semana de agosto de 2014. E não é por causa de turistas:  muitos iatistas russos participaram neste ano da Regata anual Copa del Rey, organizada pelo Clube Real de Iates da cidade. Alguns deles não têm sequer 25 anos, o que é uma raridade no iatismo.

A equipe de iatismo Tsar Peter, que compete na classe Swan 60, reuniu-se pela primeira vez há apenas três meses. Os atletas russos passaram por uma seleção rigorosa, tiveram treinamento de várias semanas e participaram de uma corrida organizada no mar Báltico. Um ano atrás, a maioria deles não podia sequer imaginar uma participação em nível tão elevado.

Top 15  

"Quando eu fiquei sabendo da seleção da tripulação para a corrida de iate de 60 pés, decidi me candidatar, pois sabia que não teria  outra oportunidade de competir em um barco tão grande quanto esse", disse Marat Hairov, de Dolgoprud, na região de Moscou. Marat é um dos 15 finalistas do programa Gazprom Youth Sailing Challenge, que foi organizado pelo Iate Clube de São Petersburgo. “O objetivo era criar  esse projeto e depois recebermos o apoio da Gazprom [empresa estatal de gás]”, disse a diretora de relações públicas do Iate Clube de São Petersburgo, Anastasia Gracheva. "Por muitas razões, inclusive a barreira linguística, muitos velejadores russos não podiam atingir o nível profissional mundial, dominado pelos ingleses, americanos, australianos e alemães. Queremos trazer os atletas russos para esse novo nível, para que eles tenham uma boa imagem.”

O Gazprom Youth Sailing Challenge é o único  programa privado na Rússia  de apoio para velejadores. Atletas talentosos também podem contar com os subsídios estatais e municipais para viajar para competições, mas  para receber esses bônus é preciso passar por várias formalidades burocráticas. Tanto os atletas individuais quanto as equipes de iatismo profissional dependem quase inteiramente de patrocínios.

"Os organizadores receberam 150 inscrições de muitas cidades da Rússia: de Vladivostok, no Pacífico, até Azov, no sul. Apenas 15 pessoas foram selecionadas e em maio formaram a equipe de iate Tsar Peter, um dos sete barcos que participam na classe Swan 60 pés. Não houve tempo para o treinamento: depois de cinco dias de estágio, a equipe começou sua primeira regata, a Nord Stream Race. Em quatro dias, os participantes atravessaram o mar Báltico, pela rota de São Petersburgo até o porto alemão de Warnemünde. Em agosto houve um novo desafio: o campeonato mundial na classe Swan 60, organizado durante a famosa regata Copa del Rey, em Palma de Mallorca.

Alto nível de competição 

Nascido em Togliatti (região de Samara), Ivan Izmestev participou do programa Gazprom Youth Sailing  Challenge vindo de um esporte olímpico. "Antes, eu competia em iates da classe Finn. É um barco pequeno, onde você é o próprio chefe: tem que conduzir, pensar em navegação e controlar as velas. Em um iate grande tudo é diferente, aqui você faz parte da equipe, a lógica é completamente outra. Há poucas perspectivas no esporte olímpico. Depois de uma carreira de amador, ou você para com esse tipo de esporte ou começa a trabalhar como treinador. A participação em um programa desse tipo é uma grande oportunidade para trabalhar como treinador de atletas e uma grande chance para atletas olímpicos, como eu. Impressiona o próprio treinamento da equipe: o lugar e o programa de treinamento são bem elaborados. E o mais importante, há a perspectiva de que esse tipo de experiência possa ser aplicada no esporte profissional", disse Izmestev.

Foto: Press Photo

 "Quando você é um amador, há poucas chances de se tornar um profissional", disse Marat Hairov, concordando com seu colega. "Aqui temos a oportunidade de velejar em barcos grandes e interagir com a equipe, é um nível completamente diferente. No final da temporada, vão escolher o melhor atleta, que será eleito de acordo com critérios esportivos."

Em 2013, com sede no Iate Clube de São Petersburgo, foi criada a Academia Nacional de Iatismo. O objetivo principal da Academia é o desenvolvimento das aulas  de iate e o ensino das crianças. Atualmente, a Academia tem cerca de 300 alunos. O ensino é gratuito.

 

 A nova equipe surpreendeu já no primeiro dia da prova em Palma de Mallorca: na primeira etapa, a equipe de Tsar Peter deixou todos os seus concorrentes para trás. Nos dias seguintes a situação mudou, mas a jovem equipe continuou mostrando bons resultados e ficou em quarto lugar no final de todas as competições.  O outro iate russo participante, Bronenosec, comandado por Vladimir Liubomirov, presidente do Iate Clube de São Petersburgo, comemorou a vitória. No futuro, os melhores da equipe vão competir justamente nesse iate. Os outros terão uma experiência que contribuirá para o desenvolvimento de sua carreira. "Os atletas são jovens, todos querem trabalhar e aprender. Estou seguro de que a maioria deles tem tudo para não se perder entre os profissionais”, diz o treinador da equipe do Gazprom Youth Sailing Challenge, Sergey Borodin. 

“É absolutamente fantástico encontrar uma nova equipe que compete nesse nível, em algumas etapas os atletas foram líderes. É fantástico, a atmosfera dentro da equipe é muito boa, eles sempre sorriem”, disse o famoso velejador alemão Arne Hirsch, gerente do projeto alemão Offshore Challenger, convidado de honra na competição da classe Swan 60.

Impulso para o iatismo 

O programa para apoiar jovens velejadores tem importância não só esportiva como também social, assegura Liubomirov. "Na década de 90, os representantes do Iate Clube de São Petersburgo  começaram a pensar sobre o problema social da reabilitação de atletas olímpicos. Uma vez que um atleta passa por vários ciclos olímpicos (esse tipo de atleta no iatismo tem mais de 30 anos da idade), não tem mais oportunidades para trabalhar: é impossível combinar o esporte profissional com estudos para receber outra  especialização. A perspectiva real para esses atletas é um esporte profissional, onde você pode competir durante muito tempo e ganhar um bom dinheiro. Mas até recentemente, quase não havia profissionais russos. Até as próprios equipes russas preferiam contratar estrangeiros. O objetivo do programa Gazprom Youth Sailing Challenge é encontrar os melhores velejadores russos com idade de menos de 25 anos, mostrá-los ao mundo e dar-lhes uma oportunidade de encontrar emprego", disse ele.

Foto: Press Photo

Liubomirov tem certeza de que se o programa Gazprom Youth Sailing Challenge tiver sucesso contribuirá para o desenvolvimento do iatismo entre as crianças. "Muitas crianças na idade de 14 ou 15 anos que estão pensando se devem continuar a praticar o esporte ou não terão uma motivação adicional: há lugar para todos. O mundo do iatismo profissional é muito grande, apesar de não ter os honorários semelhantes aos do futebol ou do tênis, pode-se competir durante muitos anos e ninguém fica sem trabalho”, explicou.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.