Copa atrai quase 11 mil turistas russos ao Brasil

Russos desfrutam da hospitalidade do povo brasileiro Foto: Valeria Saccone

Russos desfrutam da hospitalidade do povo brasileiro Foto: Valeria Saccone

Repórter da Gazeta Russa esteve na estreia da seleção russa no Maracanã neste domingo (22). Apesar da derrota pela Bélgica, torcedores demonstraram otimismo e avaliaram positivamente a organização do Mundial no Brasil.

“Вперёд, Россия!”. “Força, Rússia!”. Esse grito de guerra ecoou no metrô do Rio de Janeiro neste domingo. E não era por menos, já que a seleção russa enfrentaria os belgas em pleno Maracanã. Além disso, o país voltou à Copa após 12 anos de ausência e, mais importante, dentro de quatro anos também sediará o Mundial da Fifa.

De acordo com as estatísticas oficiais, o Brasil recebeu 10.795 turistas russos desde o início do campeonato. Mas, julgando pelo número de pessoas que caminhavam pela praia de Copacabana no dia da partida balançando a bandeira nacional, esse número pode ser ainda maior.

Foto: Valeria Saccone

A animação e o bom humor começavam ainda no metrô, onde muitas pessoas usavam perucas e camisas com as três cores da Rússia – azul, branco e vermelho. “É a nossa segunda vez no Brasil. Nós amamos o Rio de Janeiro”, disseram as moscovitas Pieta e Tania. “É de longe a cidade mais descontraída do mundo, ideal para as férias. Nós amamos as pessoas, gostamos do fato de ter praia na cidade, e o clima é maravilhoso.”

Foto: Valeria Saccone

“Eu viajei 12.500 km para chegar até aqui”, contou Aleksêi, de Irkutsk, enquanto esperava na fila para entrar no estádio. “Entre a minha cidade e o Rio de Janeiro há uma diferença de 12 horas. Estamos exatamente ao contrário. Na minha casa é noite agora, e minha família está dormindo. Bem, minha esposa dorme. Meus filhos, todos homens, estão assistindo às partidas de futebol”, continuou.

Moscou, Irkutsk, Vladivostok, Perm, Rostov-no-Don, Iekaterinburgo – muitas cidades russas estavam representadas na porta de entrada do Maracanã. “Há um grande contraste entre a Rússia e o Brasil, começando com o clima. E as mulheres aqui são simplesmente maravilhosas. Além de bonitas, são muito sensuais”, disse Maksim, que chegara de Moscou há uma semana com outros dois amigos.

“Viemos para dar apoio à seleção e sentir de perto a emoção do Mundial. Estamos gostando muito, especialmente o calor dos brasileiros e as praias, é claro”, disse Sônia, de Vladivostok.

Alguns torcedores, como Nikolai Rostov, estavam desesperados à procura de um ingresso na última hora. “Cheguei hoje mesmo com 13 amigos. Está faltando um ingresso”, disse. Segundo ele, o Rio de Janeiro foi amor à primeira vista. “Faz calor, o ambiente é muito descontraído, e as pessoas também. Adorei!”

Vassíli também procurava uma entrada antes do jogo. Quando questionado de onde vinha, respondeu orgulhosamente que nasceu na União Soviética. “Eu vim apenas para assistir ao Mundial. Estou perguntando a todo mundo se não eles não têm um ingresso sobrando. Estou otimista, acho que vou conseguir.”

Foto: Valeria Saccone

Mas não havia apenas russos nos arredores do Maracanã. Na entrada, muitas línguas se misturavam – japonês, inglês, francês, espanhol, italiano, alemão e, é claro, português. Um grupo grande de brasileiros compareceu ao estádio para ver o embate entre Rússia e Bélgica. “Conseguimos as entradas em um sorteio. Hoje torceremos para Bélgica. Não é por nada, mas conhecemos melhor a seleção deles. Na verdade, viemos mesmo pela festa. Que vença o melhor”, disseram dois casais brasileiros, devidamente uniformizados com a camisa da seleção canarinho.

Os russos, no entanto, estavam confiantes.
“Nós vamos ganhar o jogo. Será, no mínimo, 3 a 0”, previu o moscovita Andrêi. Já segundo Maksim, o “jogo está em nossas mãos”.

Calor brasileiro

Depois do jogo, nem mesmo a vitória da Bélgica por 1 a 0 diminuiu o entusiasmo dos russos. Quando perguntados sobre quem ganharia a Copa do Mundo, quase todos lançaram a mesma aposta: “Brasil”.

Alguns também mencionaram a Alemanha. “Obviamente, prefiro a Rússia, mas eu amo a Alemanha. Estou com eles”, disse Aleksêi, de Irkutsk. “Apesar de a Alemanha ter sido um inimigo histórico da Rússia durante décadas, os tempos mudaram. A equipe alemã é de longe a mais estável e profissional do mundo”, afirmou Nastia, de Moscou. “Vamos chegar à final e enfrentar a Alemanha”, completou Nikolai.

Foto: Valeria Saccone

Porém, enquanto as seleções lutam pelo troféu, esses 11 mil russos desfrutam da hospitalidade do povo brasileiro. Sobre a organização do Mundial, os entrevistados não apresentaram queixas. “Nós nos sentimos bem, não temos nada a reclamar. As pessoas são muito amigáveis​​, estamos felizes”, disse Igor, de Perm. “Até agora eu não tive nenhum problema”, acrescentou Aleksêi.

Nem mesmo a forte crítica dos meios de comunicação internacionais nas semanas antes do evento parecem afetar a avaliação do turistas russas. “Estava errado com os prognósticos”, disse Eric, de Moscou. “Estive em três Ligas da Europa e em dois Mundiais, e, sinceramente, não acho que a organização está deixando a desejar. E o Maracanã é um templo mundial do futebol”, afirmou Nikolai, de Rostov-no-Don.

Dentro de quatro anos, a Rússia será a sede da próxima Copa do Mundo. “Vai ser excelente. Recentemente recebemos os Jogos Olímpicos de Inverno, e foram um sucesso. A realização do evento foi impecável. Quando os russos organizam algo, costumam fazê-lo em grande escala”, disse o moscovita Dima. “Vai ser uma grande festa para o nosso país, assim como demonstrou Sôchi-2014”, garantiu Eric.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.