As atuações das seleções da URSS e da Rússia nos mundiais

Goleiro soviético Lev Iáchin Foto: Photoshot / Vostockphoto

Goleiro soviético Lev Iáchin Foto: Photoshot / Vostockphoto

Fair play, jogo sem adversário, recorde de um atacante: a Gazeta Russa conta quais foram as performances mais memoráveis das seleções da URSS e da Rússia em campeonatos mundiais de futebol.

A copa do mundo de 1962, no Chile, foi memorável não só pelo triunfo dos brasileiros, no elenco dos quais brilharam Vavá e Garrincha, mas também pelo exemplo maravilhoso de fair play que a seleção da URSS deu.

No último jogo da fase de grupos, os jogadores soviéticos enfrentavam os bicampeões mundiais do Uruguai. A meia hora da final da partida, o placar estava igualado (1a 1) e a seleção uruguaia organizava o cerco às redes do goleiro Lev Iáchin. A derrota ameaçava a equipe da URSS com a saída da fase de grupos. Em um dos contra-ataques, Ígor Tchislenko, com um fortíssimo chute, furou a rede lateral do gol adversário, colocando a bola para dentro. O árbitro validou o gol e apontou para o centro. Nesse momento, o capitão da equipe soviética, ígor Netto, se aproximou do juiz e explicou que tinha havido um erro e que a bola havia entrado lateralmente no gol.

“Netto sempre foi homem muito honesto, um verdadeiro capitão. Lembro-me bem da situação. Naquela altura era impossível fazer substituições e nossa equipe estava jogando a terceira partida consecutiva. Todo mundo estava muito cansado. Pessoalmente, eu não vi a bola entrando de lado, mas Netto, depois de falar com Tchislenko, se aproximou do árbitro e pediu-lhe para cancelar o gol. Faltavam 20 minutos para o final do jogo e nós ficamos extremamente decepcionados com a anulação do gol, mas Netto nos reuniu na beirada do campo e nos pediu para jogar  ‘além das nossas forças’ naquele momento. No final, ganhamos o jogo e passamos para as quartas de final.”

Víktor Ponedelnik (atacante, campeão europeu em 1960, atuou na Copa do Mundo 1962)

O gol mais importante

Quatro vezes consecutivas, a seleção da URSS chegou às quartas de final, mas apenas em uma delas conseguiu ficar entre os quatro melhores. Em 1966, na Inglaterra, o caminho para as semifinais foi dado à equipe soviética pela bola de Valeri Porkuian. Foi precisamente o gol do atacante do Dínamo de Kiev que permitiu à URSS vencer a seleção húngara, de estrelas do futebol.

Igor Tchislenko abriu o marcador aos cinco minutos. Os húngaros tinham mais chances de marcar, mas logo no início do segundo tempo Porkuian colocou os jogadores adversários em uma posição muito difícil. Galimzian Khussainov cobrou uma falta e Porkuian cabeceou para finalizar o poderoso tiro do parceiro. A seleção da URSS se classificou para as semifinais, onde, no entanto, acabaria por perder para a seleção da Alemanha.

“Porkuian foi uma das principais estrelas do torneio. Não foi por acaso que ele foi o único jogador da nossa seleção a entrar na equipe dos melhores do torneio. Aquele gol, embora casual, mesmo assim fez história.”

Anzor Kavazachvili (goleiro, terceiro lugar na Copa do Mundo 1966)

Decisão política

Em 1974, a seleção da URSS não participou da Copa do Mundo pela primeira vez desde 1958. No entanto, isso não aconteceu por razões esportivas. Para se qualificar para a fase final, o time tinha de enfrentar a seleção do Chile. Em setembro de 1973, as duas equipes empataram em 0 a 0 em Moscou. No entanto, o jogo de volta nunca se realizou. No Chile, o poder foi tomado pelo partido de Augusto Pinochet e, por razões políticas, a seleção da URSS não foi jogar em Santiago. A liderança da Fifa se recusou a transferir o jogo para um campo neutro. Os jogadores da seleção do Chile entraram no gramado e disputaram a partida sem adversários, fazendo rolar calmamente algumas bolas para dentro do gol completamente desprotegido.

“O que a gente podia fazer? Fazíamos o que nos diziam os superiores. Eu me lembro que houve uma proposta de jogarmos em campo neutro, na Alemanha, mas a Fifa não aceitou transferir o jogo para lá. Eu, como muitos jogadores da seleção soviética, estava 100% seguro de que teríamos conseguido ganhar dos chilenos. O nível do jogo da seleção da URSS era visivelmente superior ao da seleção chilena.”

Oleg Blokhin (vencedor da Bola de Ouro, terceiro lugar nas Olimpíadas de 1972 e 1976)

Façanha de atacante

Na Copa do Mundo sediada nos Estados Unidos, em 1994, aconteceu uma situação única: foi a primeira vez que um jogador conseguiu marcar cinco gols em uma mesma partida. Foi Oleg Salenko, atacante da seleção russa. Em um jogo contra a seleção de Camarões, Salenko marcou quatro vezes com a bola rolando e uma de pênalti. No final, o jogo terminou em uma goleada sobre os Leões Indomáveis por 6a 1. A grande conquista de Salenko, que continua sendo recorde até os dias de hoje, no entanto, não ajudou a Rússia a passar a fase de grupos: o time perdeu para o Brasil (0x2) e para a Suécia (1x3).

“Naquele dia tudo coincidiu: sorte e desejo. Eu, por sinal, eu não sabia nada do recorde até o apito final. Lembro-me com quase todos os detalhes. Jogamos sob um calor tórrido de 40 graus. Acho que golear uma equipe africana naquele inferno quente valeu o dobro.”

Oleg Salenko

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.