Fifa recusa pedido para proibir a Copa de 2018 na Rússia

O presidente da Fifa, Joseph S. Blatter: “Em nome da Fifa e de todas as federações nacionais, peço para unirmos esforços a fim de proteger o jogo da interferência política e dos políticos.” Foto: Reuters

O presidente da Fifa, Joseph S. Blatter: “Em nome da Fifa e de todas as federações nacionais, peço para unirmos esforços a fim de proteger o jogo da interferência política e dos políticos.” Foto: Reuters

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) recusou o pedido dos senadores norte-americanos para banir a seleção russa de participar do campeonato em 2014, e excluir o direito do país de sediar o mundial de futebol em 2018.

No início de março passado, os senadores Mark Kirk e Dan Coats enviaram à Fifa uma solicitação para suspender o envolvimento da Rússia com a federação internacional. Segundo eles, diante dos eventos na Crimeia, a Rússia teria violado o artigo 3 do estatuto da Fifa, que se refere à discriminação com base em motivos raciais e políticos.

Era improvável desde o início que os senadores recebessem qualquer resposta ao seu apelo. Tanto na Fifa, como na Uefa, entidade que rege o futebol europeu, os dirigentes costumam reprovar as autoridades externas que tentam se intrometer em assuntos internos, especialmente quando tentam misturar futebol e política.

Mas, nesta semana, fontes da imprensa americana publicaram a resposta assinada pelo secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. “Nós gostaríamos de enfatizar que as equipes participam da Copa do Mundo e de outras competições sob os auspícios da Fifa apenas com base no princípio dos esportes e nada mais”, declarou Valcke.

O presidente da Fifa, Joseph S. Blatter, disse praticamente a mesma coisa ao comentar sobre o pedido dos senadores. “Em nome da Fifa e de todas as federações nacionais, peço para unirmos esforços a fim de proteger o jogo da interferência política e dos políticos.”

A Uefa concorda plenamente com a Fifa. Recentemente, o presidente da entidade que rege o futebol europeu, Michel Platini, também reagiu bruscamente à solicitação.

“Estamos cansados ​​de pedidos como esse”, disse Platini. “Se quiserem boicotar, boicotem a embaixada, interferiram nas transações econômicas. Só não esperem nada de nós. Infelizmente, há muitas pessoas no mundo que não gostam de esportes, e elas não têm medo de mostrar isso, de fazer pedidos como esse. Deixem que os políticos cuidem da política. Os esportes devem ser um lugar para unir as pessoas.”

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.