Equipes de patinação e skeleton compensam decepção no hóquei

Equipe russa de patinação de velocidade em pista curta levou o ouro e a prata pela primeira vez na história das Olimpíadas de Inverno Foto: Vladímir Pesnia

Equipe russa de patinação de velocidade em pista curta levou o ouro e a prata pela primeira vez na história das Olimpíadas de Inverno Foto: Vladímir Pesnia

Fim de semana foi marcado pela conquista de dois ouros para a equipe russa. O primeiro foi do patinador de velocidade em pista curta Viktor Ahn, seguido pela vitória de Aleksandr Tretiakov na prova de skeleton. Mas nem tudo foi glória. A seleção de hóquei no gelo não conseguiu satisfazer seus fãs, perdendo para os americanos nos pênaltis.

Patinação de velocidade em pista curta

No sábado passado (15), a equipe russa de patinação de velocidade em pista curta levou o ouro e a prata, na distância de 1000 m, pela primeira vez na história das Olimpíadas de Inverno. O coreano naturalizado russo Viktor Ahn já se tornou uma lenda ao conquistar a primeira posição, deixando o segundo lugar para o também russo Vladímir Grigoriev. O trio vencedor ficou completo com a subida ao pódio do holandês Shinki Knegtu.

“Faz oito anos que ganhei minha primeira medalha de ouro olímpico. Hoje  estava muito nervoso, era difícil expressar toda a emoção que eu tinha. Eu ainda não consigo acreditar que eu ganhei”, disse Ahn. “Francamente, fiquei muito impressionado com o apoio do público. Todos aplaudiram, isso é simplesmente incrível!”

Skeleton

A equipe russa de skeleton também conquistou a medalha de ouro na categoria. Originário da cidade siberiana de Krasnoiarsk, Aleksandr Tretiakov desbancou o letão Martins Dukurs e o americano Matthew Antoine, que ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente.

Medalha cósmica

No sábado passado, os atletas dos Jogos Olímpicos foram agraciados com uma pequena surpresa. As medalhas destinadas para esquiadores e patinadores receberam pedaços do meteorito de Tcheliábinsk, marcando o primeiro aniversário da queda do meteorito nessa região nos Urais. No total, foram entregues 50 medalhas com pedaços do corpo celeste.

Se não fosse o bastante, os também membros da equipe russa Serguêi Chudinov (5o) e Nikita Tregubov (6o) conseguiram garantir uma posição entre os dez primeiros colocados.

Hóquei

Porém, o fim de semana não foi fácil para os jogadores russos de hóquei. No estádio olímpico de hóquei “Bolshoi”, o capital da equipe Pável Datsiuk fez dois gols contra os Estados Unidos, além do ponto anulado de Fiódor Tiutin. Os EUA correram atrás do prejuízo e também marcaram duas vezes. No entanto, após empate de 2 a 2, a equipe russa acabou perdendo o jogo nos pênaltis.

Apesar da derrota, o treinador russo Zinetula Bilialetdinov demonstrou calma e segurança. “Aprendemos mais após o jogo passado. Muitos erros foram corrigidos. Jogamos de maneira seguro e confiante. Continuaremos a melhorar a técnica e mostraremos resultados”, declarou o técnico depois da partida.

Neste domingo (16), a equipe russa de hóquei novamente entrou em campo, mas dessa vez contra a Eslováquia. Os comentaristas alegaram que, por causa do grande esforço feito pelos russos durante o jogo contra os Estados Unidos, a equipe russa não conseguiu mostrar um bom desempenho contra os eslovacos.

O jogo terminou com empate de 0 a 0, graças ao goleiro da equipe russa, Semion Varlamov, que rebateu vários discos ao longo de toda a partida. Como o resultado do jogo contra os eslovacos não é suficiente para que os russos cheguem às quartas de final, eles terão que vencer os noruegueses para poder se qualificar entre as oito melhores equipes.

Esqui 

A seleção russa de esqui conquistou a única medalha obtida pelo país no domingo passado. O quarteto masculino composto por Dmítri Iaparov, Aleksandr Bessmertni, Aleksandr Legkov e Maksim Vilegjanin levou a prata, perdendo apenas para os suecos, que dominaram os diversos momentos ao longo da competição.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.