Nos bastidores do show olímpico

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno 2014, realizada no estádio Fischt na última sexta-feira (7), foi testemunhada por mais de 3 bilhões de telespectadores de todo o mundo. E os números não param por aí: para compor o cenário da grande apresentação “Sonhos da Rússia”, o projeto envolveu 12 mil pessoas de 17 países. A Gazeta Russa conversou com algumas das pessoas que ajudaram a transformar esse sonho em realidade.

Andrêi Nasonovski, produtor-executivo

“Preparamos a cerimônia em dois anos. Isso é muito pouco tempo para um evento de grande escala. A cerimônia foi sem precedentes, a partir de um ponto de vista técnico, um sistema único de mover o cenário com 385 braços de suspenção, um terreno de 2,5 km de extensão e um estádio com lotação para 40 mil pessoas – que tornou-se um grande teatro.” 

James Lee, produtor técnico

“Apesar dos inúmeros desafios, a equipe técnica alcançou o impossível. Com o maior sistema de entrega aérea de cerimônias e a mais inovadora plataforma de cerimônias, Sôtchi-2014 é um evento sem precedentes. O estádio Fischt, nomeado em homenagem a um dos picos da cordilheira do Cáucaso, surpreende não apenas com o seu tamanho, mas também com a aparência original, que se assemelha a uma montanha de gelo.”

Andrêi Boltenko, diretor e roteirista

“Quisemos contar a história do nosso país, como nenhuna pessoa havia feito. Queríamos fazer com que 3 bilhões de telespectadores vissem a grandeza e a diversidade da Rússia através dos olhos de uma criança, a principal heroína da cerimônia, uma menina chamada Lubov (“Amor”). A menina tornou-se uma espécie de metáfora para a alma feminina da Rússia em geral.”

Os detalhes de encerramento dos Jogos Olímpicos permanecem em segredo até 23 de fevereiro.

 

E o que acharam os espectadores estrangeiros?

Mark, Canadá

“O espetáculo inteiro foi muito impressionante: extras, luz, música, um símbolo do poder da URSS.”

Cecil, Suíça

“As Cúpulas das igrejas ortodoxas são conhecidas pelo mundo todo, e quando ainda tocava a canção russa (“Kostroma” – Gazeta Russa), senti imediatamente que estava ali!”

Ivan, Polônia

“Estava à espera de algo grandioso, mas foi tão incrível que simplesmente não podia imaginar. É muito difícil de dizer do que mais gostei, acho que foi dos fogos de artifício finais.”

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.