Ex-Anji, João Carlos ajudou Spartak a vencer Campeonato Russo

Zagueiro João Carlos (esq) foi recentemente transferido do Anji para o Spartak Foto: AFP / EastNews

Zagueiro João Carlos (esq) foi recentemente transferido do Anji para o Spartak Foto: AFP / EastNews

No último final de semana, aconteceu o jogo decisivo entre os times de futebol moscovitas de Spartak e CSKA, o duelo mais esperado do Campeonato Russo. O atual campeão do país, CSKA, sofreu uma derrota por 3 a 0 e perdeu a chance de manter o título. Um dos destaques do vitorioso Spartak e ex-Anji, o zagueiro brasileiro João Carlos, 31 anos, foi responsável por importantes defesas e autor do passe decisivo que resultou no segundo gol.

Gazeta Russa: O que você achou de participar do Campeonato Russo?

João Carlos: A sensação foi incrível. Estádio lotado, qualquer jogada vem junto com os barulhos dos aplausos ou assobios. Sempre gostei de jogar sob pressão, pois me ajuda a manter concentrado. Quanto ao jogo, tudo aconteceu conforme planejamos. Controlamos todos os setores do campo e mantivemos os jogadores do CSKA na linha. A nossa vitória não é nenhuma surpresa.

GR: O seu compatriota Vitinho, recém-chegado à Rússia, jogou pelo adversário CSKA. Você chegou a conversar com ele?

JC: Nos encontramos no campo de futebol, onde não tivemos tempo para conversar. Após o jogo, falamos um pouco e eu lhe desejei boa sorte. Mudei para a Europa na mesma idade e me lembro de todas as dificuldades iniciais. Mas o Vitinho tem sorte de ter outros brasileiros por perto que podem ajudá-lo nos primeiros meses. 

GR: Você está contente com a sua transferência para o Spartak?

JC: Sim, as minhas únicas opções eram permanecer no Anji ou entrar para o Spartak. Analisei a proposta do clube moscovita e resolvi aceitar o novo desafio. Além disso, o Spartak é um dos maiores clubes de futebol da Rússia, com uma torcida enorme e uma história muito rica.

GR: Você já fez amizades com os jogadores brasileiros do Spartak?

JC: Sou amigo do Rafael Carioca e do Romulo. Além de sermos vizinhos em Moscou, temos mais uma coisa em comum: já jogamos juntos no Vasco da Gama.

GR: Você tem saudades do Brasil?

JC: Claro! Minha família mora lá, mas eu consigo visitá-los nas férias. Preciso aproveitar as oportunidades que o solo europeu me oferece.  O campeonato brasileiro é muito bom, e ainda vou participar dele. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.