Tocha olímpica de Sôtchi-214 vai percorrer 65 mil quilômetros

Tocha foi apresentada pelos medalhistas olímpicos Iliá Aberbukh e Tatiana Navka, prata e ouro na dança no gelo, respectivamente Foto: AP Photo / Mikhail Metzel

Tocha foi apresentada pelos medalhistas olímpicos Iliá Aberbukh e Tatiana Navka, prata e ouro na dança no gelo, respectivamente Foto: AP Photo / Mikhail Metzel

No dia 7 de outubro começará o revezamento da tocha olímpica. Pelas previsões do Comitê Organizador de Sôtchi-2014, esse revezamento será o maior em distância nacional percorrida na história dos Jogos Olímpicos de Inverno.

O revezamento da tocha olímpica é um evento tradicional que antecede a abertura de todos os jogos olímpicos. No entanto, os organizadores sempre tentam dar o seu toque nacional à corrida de revezamento. E a Rússia não é exceção. Durante 123 dias, a tocha olímpica vai atravessar mais de 65 mil quilômetros nas mãos de 14 mil pessoas, seja em carros, trens, aviões e até mesmo nas tradicionais ‘troikas’ russas e trenós de renas.

Tudo começa no berço dos Jogos Olímpicos, na Grécia, onde será aceso o fogo para os jogos de 2014. De lá, no dia 6 de outubro, ele será transportado para Moscou em um voo especial. E logo no dia seguinte o revezamento começará o seu caminho pelo território russo, onde vai durar quatro meses até 7 de fevereiro de 2014.

O percurso do revezamento foi traçado de forma a permitir que a chama olímpica passe por todas as 83 regiões da Federação Russa. Os melhores alpinistas do país vão levar o fogo ao topo do Monte Elbrus, o ponto mais alto da Europa e o principal símbolo do Cáucaso. Com a ajuda de mergulhadores, a tocha também descerá ao fundo do Baikal, o lago mais profundo do planeta.

Revezamento da tocha olímpica

Sôtchi 2014: 65 mil quilômetros

Vancouver 2010: 45 mil quilômetros

Turim 2006: 11.300 quilômetros

Além disso, o fogo olímpico passará também pelo istmo da Curlândia, refúgio natural para milhares de aves migratórias, assim como pelo mundialmente famoso monumento da arquitetura em madeira, o conjunto arquitetônico da Ilha Kiji, na Carélia. Entre outros lugares de destaque, o revezamento vai passar ainda por Iasnaia Poliana, local onde o escritor Lev Tolstói criou as obras “Guerra e Paz” e “Anna Karenina”.

Durante o revezamento da tocha a atenção da mídia estará focada não apenas no percurso da corrida, mas também nos portadores. “Apenas os mais dignos atletas serão portadores no revezamento, já que a missão é muito importante: unir o país com sua corrida e passagem da tocha de mão em mão ao longo de um imenso percurso” diz o presidente do comitê organizador de Sôtchi-2014, Dmítri Tchernichenko. No total, 14 mil portadores participarão do revezamento olímpico ao longo de 123 dias.

Cabe lembrar que o sucesso do revezamento da tocha olímpica dependerá também do trabalho coordenado dos 30 mil voluntários, além dos 4 mil no percurso para os jogos paralímpicos.

Chama duradoura

A tocha da Olimpíada de Sôtchi combina tradição com inovação. Apesar de ser decorada com motivos folclóricos dos contos populares eslavos, como Pássaro de Fogo, seu formato futurista representa o progresso tecnológico.

A sua cor prateada faz lembrar as planícies geladas, enquanto o tradicional vermelho russo simboliza o fogo. Incompatíveis à primeira vista, estes dois elementos acabam se combinando organicamente, como o mar quente e as montanhas de Sôtchi cobertas de neve.

Quanto aos componentes técnicos, foi dada especial atenção à confiabilidade do sistema que vai manter o fogo aceso. O combustível usado será uma mistura gasosa de produção russa e ecologicamente limpa: gás propano com aditivos especialmente formulados para garantir à chama olímpica uma viva e espetacular cor vermelho-alaranjada.

Um dispositivo especial no queimador garantirá a permanência do fogo mesmo em condições de vento forte, gelo e outros possíveis fatores do inverno russo ao longo de todo o revezamento.

 

Publicado originalmente pelo Kommersant

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.