Anji se prepara para “reformatação”

Jogadores com salários altíssimos deverão deixar o Anji em breve. Na foto (da esq. para dir.): Jucilei da Silva, Ewerthon, Lassana Diarra, Mehdi Carcela-Gonzalez e Samuel Eto'o Foto: RIA Nóvosti

Jogadores com salários altíssimos deverão deixar o Anji em breve. Na foto (da esq. para dir.): Jucilei da Silva, Ewerthon, Lassana Diarra, Mehdi Carcela-Gonzalez e Samuel Eto'o Foto: RIA Nóvosti

O clube Anji de Makhatchkalá começa se preparar para um “fair play” financeiro da União das Federações Europeias de Futebol (UEFA). Os problemas financeiros de Suleiman Kerimov, diretor da empresa Uralkali e proprietário do clube daguestanês, trouxeram grandes mudanças na política do futebol europeu.

Na atual temporada, o Anji de Makhatchkalá se apresentou como o principal favorito. E não apenas da Premier League da Federação Russa de Futebol, mas também da UEFA Europa League. O clube manteve o treinador principal, o holandês Guus Hiddink, e fez uma série de aquisições de alto nível. A equipe foi complementada com três jogadores da seleção da Rússia: o Aleksandr Kokorin (€ 19 milhões), Igor Denisov (€ 15 milhões), Aleksêi Ionov (€ 5 milhões), e também com o zagueiro da seleção do Congo, Christopher Samba (€ 15 milhões).

Parecia que apenas os nomes dos jogadores do Anji já deixariam em pânico os jogadores dos times rivais. Na prática, funcionou a antiga regra do futebol: quem joga o futebol, são as pessoas, e não o dinheiro. Nas duas primeiras rodadas, o Anji não foi capaz de vencer, e depois da derrota para o time visitante, o Dínamo de Moscou, Guus Hiddink pediu demissão.

Para substituir o holandês, foi convidado o ex-assistente de Alex Ferguson no Manchester United, o também holandês Rene Melensten. A perda de um especialista tão forte e influente como Hiddink decepcionou muito os torcedores do Anji, mas eles nem imaginavam o que esperava o seu time.

Sob o comando de Melensten, o Anji continuou a perder os pontos e, em 31 de julho, a Uralkali, maior produtora do mundo de fertilizantes, de propriedade de Suleiman Kerimov, teve uma redução em seu valor de quase 30%, perdendo 5,5 bilhões de dólares. A queda das ações da Uralkali na bolsa fez com a empresa voltasse ao seu valor na época de sua transferência para o controle dos atuais acionistas, liderados pelo empresário daguestanês.

Uma semana depois, o Anji sofreu uma derrota do time Krilia Sovetov de Samara, e no dia 6 de agosto o presidente do conselho administrativo do clube daguestanês, Konstantin Remtchukov, fez uma série de declarações sensacionalistas.

Em primeiro lugar, disse que iria acontecer uma “reformatação” do Anji. A aposta é que os jogadores da academia do clube e aqueles com os mais altos salários deixem a equipe. Em segundo lugar, o orçamento do Anji deve ser de 50 a 70 milhões de euros por ano. Por comparação, a verba na temporada passada girava em torno de 120 milhões. E, por último, o novo treinador do clube seria o russo Haji Hajiyev.

No dia seguinte, a mídia internacional divulgou informações sobre a possível venda de  futebolistas do Anji. Remtchukov tentou acalmar os torcedores e os especialistas comunicando que não vai acontecer uma “liquidação” total de jogadores, mas no mesmo comunicado, o diretor do Anji contou sobre a doença de Suleiman Kerimov, que não lhe permite mais se envolver com o futebol.

Regras do jogo

Diante da notícia, as ações de Kerimov, dono de empresas de vários setores, começaram a cair gradualmente. Porém, meia hora mais tarde, o assessor de imprensa de Karimov declarou que o empresário russo está completamente saudável e apto para continuar a conduzir os seus negócios.

Sandor Varga, renomado agente de futebol que representa os interesses de Arsene Wenger, treinador sênior do Arsenal de Londres, contou para a Gazeta Russa como ele vê a situação. “Karimov gastou mais do que 300 milhões de euros com o clube e esperava por um retorno imediato. Mas em vez de um resultado, ele viu um time em que os legionários e os futebolistas russos não estão se comunicando e os gestores de topo estão constantemente pedindo dinheiro para reforços”, declarou Varga.

“Pelo que tudo indica, Karimov realizou uma série de reuniões com entendidos do futebol e resolveu mudar o estilo de contratação de jogadores do Anji. Daqui a dois anos, todos os clubes da Europa vão viver conforme o regulamento do novo fair play financeiro da UEFA. Os clubes poderão gastar somente o que ganham. Os proprietários privados do clube poderão investir dinheiro apenas no desenvolvimento do futebol infanto-juvenil do time, em vez de gastá-lo com novas contratações de jogadores”, disse o especialista. “O Anji deve estar pronto para isso, pois os clubes russos ganham muito pouco, e todos, com exceção do CSKA estão trabalhando no vermelho. Certamente, Kerimov levou em conta esses conselhos e agora quer ensinar o seu clube a viver dentro de suas possibilidades.”

Kerimov é proprietário do Anji desde janeiro de 2011. Inicialmente convidou para o clube o jogador brasileiro Roberto Carlos e o treinador holandês Guus Hiddink; depois chamou o camaronês Samuel Eto'o, o jogador de futebol mais bem pago do mundo (20 milhões de euros por ano) e, finalmente, começou a comprar todos os melhores jogadores da Rússia.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.