“Fui obrigado a deixar o Anji”, diz Roberto Carlos

Em sua nova equipe na Turquia, Roberto Carlos ficará responsável pelas transferências, escalações e táticas Foto: fc-anji.ru

Em sua nova equipe na Turquia, Roberto Carlos ficará responsável pelas transferências, escalações e táticas Foto: fc-anji.ru

O ex-jogador de futebol Roberto Carlos diz que foi forçado a deixar o clube daguestanês Anji Makhatchkalá, porque as portas estavam fechadas para suceder Guus Hiddink como treinador principal.

Roberto Carlos, 40 anos, foi confirmado como o novo gerente da equipe turca Sivasspor nesta segunda-feira (3), depois de passar a maior parte de seus dois anos no clube do Daguestão colaborando com Hiddink.

“Percebi que queria me tornar treinador (do Anji). Coloquei um imenso esforço para isso, mas no momento  não será possível”, disse Roberto Carlos em uma entrevista publicada no site do clube.

“Surgiram convites da Turquia, Qatar e Espanha”, disse o ex-jogador, acrescentando que escolheu o Sivasspor, pois o presidente do clube, Mecnun Otyakmaz, prometeu-lhe total controle sobre as transferências, escalação do time e táticas.

“Eles me abordaram pela primeira vez há três meses. Na época, não entrei em negociação. Apenas expliquei que tinha um contrato com o Anji e precisava decidir com o clube qual seria o meu papel no futuro.” 

Segundo Roberto Carlos, ele estava esperando uma resposta do Anji a respeito de sua situação, mas nunca recebeu um retorno.

“Não sinto que poderia fazer no Anji o que serei capaz realizar no clube turco se eu me tornar o treinador. Nesse momento, Roberto é um reflexo do Anji, mas apenas o Roberto jogador de futebol”, disse. “Eu não queria sair, mas as circunstâncias me obrigam a fazer isso.”

Diante do novo desafio na Super Liga da Turquia, Roberto Carlos está mantendo a autoconfiança garantida pela conquista da Copa do Mundo de 2002 e vários outros títulos como um dos jogadores mais importantes do mundo.

“Estou pronto e tenho enorme confiança em mim. Estou certo de que posso alcançar o mesmo sucesso que obtive como jogador. Também me sinto muito feliz e grato ao Sivasspor por essa oportunidade, mas agradeço a chance que Guleimam Kerimov me deu de estar com o Anji”, disse Roberto Carlos, referindo-se ao financiador do clube.

Os rumos de sua carreira são uma incógnita para todos, exceto para ele mesmo. “Espero e não duvido de que o Besiktas, o Roma e o Real Madrid também me queiram como treinador. Para mim, o importante é começar, não ter medo e crescer na profissão que eu escolhi”, acrescentou.

O contrato de Hiddink, 66 anos, no Anji está prestes a expirar, aumentando as especulações de que ele poderá se aposentar ou procurar trabalho em outra equipe.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow News

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.