Moscou acerta últimos detalhes para Copa do Mundo de Rugby Sevens

Jogador de rúgbi russo Vassíli Artemiev em jogada durante a Copa do Mundo de 2009 Foto: Reuters/Vostock Photo

Jogador de rúgbi russo Vassíli Artemiev em jogada durante a Copa do Mundo de 2009 Foto: Reuters/Vostock Photo

Gramado do estádio Lujniki será substituído e torcedores serão atraídos para as arquibancadas por estrelas do show business.

Entre 28 e 30 de junho, a Rússia sediará, pela primeira vez, a Copa do Mundo de Rúgbi Sevens. Porém, embora histórico para o rúgbi russo, esse evento corre o risco de passar desapercebido em Moscou. A solução encontrada pela comissão organizadora do campeonato para atrair os fãs para as arquibancadas do estádio Lujniki, que comporta 80 mil pessoas, é explorar as forças do show business local.

“Estamos programando entretenimento para o público, com a participação de vários grupos musicais conhecidos”, adianta o presidente da Federação Russa de Rúgbi , Viatcheslav Kopiev. “Em primeiro lugar, queremos atrair um público jovem, por isso, demos prioridade para rock e reggae.”

"O número de torcedores é a primeira coisa que nos preocupa. Como vocês sabem, Moscou está saturada de diversos entretenimentos e lotar o estádio será muito difícil. Temos esperança de que, nas finais, vamos reunir de 15 a 20 mil pessoas”, diz o diretor de desenvolvimento do Rúgbi na Rússia, Dmítri Chmakov.

Os ingressos para a Copa do Mundo já chegaram na bilheteria do estádio Lujniki. O preço para os dois primeiros dias de jogos varia de US$ 4,80 a US$ 12,80 e o preço para o terceiro dia, quando acontecerão as finais,  varia entre US$ 16 a US$ 57,50. É possível também reservas os ingressos pela página oficial do torneio ou em sites de revenda.

Outra questão decisiva dos preparativos é o campo no qual acontecerão todas as partidas. Desde 1998, o campo do Lujniki está coberto por um gramado artificial, mas, de acordo com o regulamento internacional, só se pode jogar rúgbi sobre uma cobertura natural.

Por isso, está sendo atualmente cultivado em Tula, a cerca de 200 quilômetros ao sul da capital, um gramado que será utilizado nessa Copa do Mundo, bem como no Campeonato Mundial de Atletismo, que acontecerá em Moscou durante o mês de agosto. Os trabalhos de substituição da cobertura do campo começarão no próximo dia 11 e, no final do verão, o estádio ficará fechado para uma reforma geral, antes de receber a Copa do Mundo de futebol em 2018.

Os torcedores russos estão esperando que o evento de junho dará um forte impulso para o desenvolvimento do rúgbi na Rússia. Afinal, apesar do rápido progresso da seleção nacional, esse jogo continua pouco popular e não contando com o apoio das autoridades nem das grandes corporações.

“Quando nós falamos às autoridades sobre o rúgbi, tentamos esclarecer que com a ajuda delas é possível resolver graves problemas sociais, pois é uma excelente ocupação para os jovens”, afirma Aleksêi Sokolov, funcionário do banco Zenit, o principal patrocinador da Copa do Mundo de Rúgbi Sevens. “Ele aumenta a resistência, qualquer um pode praticá-lo e o investimento necessário equivale a centavos se comparado a muitos outros esportes”, completa Sokolov.

Há um ano, a Federação Nacional de Rúgbi da Rússia manifestou o desejo de o país receber a Copa do Mundo de Rúgbi Clássico em 2023. O principal obstáculo continua a ser a falta de financiamento e, consequentemente, a ausência de infraestrutura. Nesse aspecto, a Copa do Mundo de futebol em 2018 poderia estimular a expansão do rúgbi, desde que os novos estádios sejam adaptados para ambos os esportes. 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.