Clubes de futebol russos vão pagar imposto sobre a contratação de técnicos estrangeiros

Italiano Fabio Capello é o técnico da seleção russa desde 2012 Foto: ITAR-TASS

Italiano Fabio Capello é o técnico da seleção russa desde 2012 Foto: ITAR-TASS

Medida foi aprovada pela União de Futebol da Rússia (UFR) na última sexta-feira (5) e entrará em vigor a partir da próxima temporada. Embora os recursos arrecadados sejam investidos no futebol juvenil, clubes e especialistas reagiram negativamente à iniciativa, considerando-a “punitiva”.

Na última sexta-feira (5), o comitê executivo da UFR decidiu que os clubes da primeira divisão liderados por técnicos estrangeiros irão pagar um imposto no valor de 5 milhões de rublos (cerca de R$ 300 mil reais) enquanto os da a segunda divisão deverão arcar com 2,5 milhões (cerca de R$ 150 mil). 

Atualmente, 7 dos 16 clubes da primeira divisão russa contam com técnicos estrangeiros, entre os quais figuras tão reputadas como Luciano Spalletti, Guus Hiddink, Dan Petrescu e Slaven Bilic.

medida, que não abrange os técnicos estrangeiros contratados antes da temporada de 2013/14, tem como objetivo arrecadar recursos para o apoio aos técnicos russos do futebol juvenil e o desenvolvimento do sistema de formação e aprimoramento profissional dos treinadores nacionais. 

“O imposto será cobrado uma única vez na hora de fechar o contrato com um técnico estrangeiro. A medida só é válida para os clubes e se refere à contratação de profissionais estrangeiros ou de dupla nacionalidade para o cargo de treinador principal”, declarou o presidente da UFR,  Nikolai Tolstikh.

A medida visa também ajudar a UFR a resolver seus problemas financeiros. O presidente anterior da entidade, Serguêi Fúrsenko, que deixou o cargo no verão do ano passado, deixou uma dívida de 800 milhões de rublos (cerca de R$ 50,5 milhões) e a UFR continua sem patrocinador.

Mikhail Guerchkovitch, presidente da Associação de Treinadores Russos e autor da iniciativa, acredita que o imposto contribuirá também para valorizar os técnicos nacionais. “No futebol nacional, prevalecem técnicos estrangeiros, enquanto o governo do país segue uma política de proteção interna”, afirma Guerchkovitch.

O novo imposto, segundo o autor da medida, não será oneroso para os clubes de elite e estimulará os clubes com orçamentos modestos a dar preferência a técnicos nacionais.

Mesmo assim, a proposta dividiu a opinião de especialistas. O presidente do conselho administrativo do clube daguestanês Anji, Konstantin Remchukov, disse ao jornal “Kommersant” que a ideia lhe faz lembrar a “prática soviética de extorsão de dinheiro” dos clubes de futebol e parece “punitiva”.

“Se um clube de futebol é também um negócio, as pessoas envolvidas devem fazer o possível para aumentar a eficácia da ‘empresa’. Se você gasta milhões de dólares para contratar jogadores e não pega um treinador equivalente, seu ativo perde a qualidade”, garantiu Remchukov.

O presidente e proprietário do clube Krasnodar, Serguêi Galistski, também não se mostrou contente com a nova norma. “Podemos chamar essa medida de ‘salário para Guerchkovitch’”, escreveu em seu Twitter. “Nosso clube não vai pagar nada”, arrematou o empresário.

 

Com materiais do jornal Kommersant e da agência de notícias RIA Nóvosti 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.