Como os russos lidam com prazos?

Varvara Grankova
Vistos como indisciplinados por alguns estrangeiros, russos têm comportamento específico em relação ao trabalho devido a histórico do país. Empresários de fora dão dicas de como lidar com parceiros ou funcionários na Rússia.

É muito comum no exterior pensar que os russos são funcionários “relaxados” que, mesmo com tempo de sobra para concluir suas tarefas, tendem a deixar tudo para última hora. No entanto, há grandes empresas estatais e privadas, especialmente nos setores de defesa e segurança, que não existiriam se os seus funcionários não fossem dedicados ao trabalho. Portanto, não seria correto descrever os russos como um todo como trabalhadores irresponsáveis. Muitos deles, cujos serviços estão relacionados a aplicação de lei e testes nucleares, que indubitavelmente cumprem os prazos.

Paralelamente, deadlines podem ser um problemas para os russos que trabalham em profissões criativas, como jornalismo, tecnologia da informação e design. Muitos dos meus colegas, por exemplo, dizem deixar suas responsabilidade para a última hora – seja porque não são capazes em fazê-las com antecedência, ou porque sabem que seria mais produtivo aguardar por inspiração, já que, assim, poderiam terminar uma reportagem em 15 minutos, em vez de gastar horas quando a cabeça não ajuda.

Alguns cientistas já notaram, inclusive, que um pouco de procrastinação, deixando “sua mente fluir”, pode proporcionar um momento de epifania ou inspiração para criar algo extraordinário – incluindo aqueles que estão desenvolvendo algo novo.

Roman Alekhin, fundador do grupo de marketing Alekhin e Associados, sugere que há certa verdade em pensar que os russos tendem a trabalhar especialmente duro quando o prazo já está perto de estourar. Essa abordagem, porém, pode ser explicado não só pela complexidade da “alma russa”, mas também porque o termo “deadline” apareceu apenas recentemente na cultura empresarial do país.

Segundo Alekhin, o termo “deadline” vem do marketing, TI, design e outras áreas relativamente novas na Rússia; por isso, é lógico que ainda não seja simples para os funcionários russos aderir a essa ideia. “Isso faz com que até mesmo gestores com cargos mais altos tratem os prazos como um tempo para começar a trabalhar em uma tarefa (ao contrário de terminá-la), e seus subordinados simplesmente ignoram os deadlines, pois os encaram como mera convenção”, diz o empresário.

Pável Sigal, vice-presidente da Opora Rossii, uma associação russa de pequenas e médias empresas, concorda com essa posição. “Os russos sentem-se ok em descumprir prazos – isso é comum para eles, pois não enfrentam consequências sérias. Na Europa, esse comportamento é punido com multas”, explica.

Então, o que um gestor estrangeiro pode fazer para assegurar que seus funcionários e parceiros russos respeitam prazos estritos? Aqui estão algumas sugestões:

  • Tente estabelecer o deadline com uma sobra para ter tempo extra caso algo dê errado.
  • Discuta o cronograma com sua equipe. Se os envolvidos participarem da definição do prazo, eles terão menos razões para reclamar e darão o melhor para cumprir com o plano estabelecido por eles mesmos.
  • Explique por que o deadline é importante. Por exemplo, se você precisa de certo documento pronto até semana que vem, exponha por que é crucial cumprir o prazo definido – talvez, deva ser usado em tribunal ou em futuras negociações.
  • Divida com a equipe as implicações negativas caso o prazo não seja cumprido. Não faça ameaças, mas explique como isso afetará a empresa e seus funcionários. Por exemplo, os clientes podem cortar verba, e isso significará menor receita para todos.
  • Use aplicativos de lembrete ou planilhas de planejamento para acompanhar as tarefas diárias. Dessa forma, você será capaz de acelerar o processo quando preciso.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies