Governo quer triplicar exportações de carros até 2025

Montadora da Hyundai na região de  Leningrado

Montadora da Hyundai na região de Leningrado

Mikhail Kireev/RIA Nôvosti
Medida visa a contrapor queda de consumo no mercado interno. Entre os destinos prioritários estão países do Brics, América Latina, África e Oriente Médio.

O Ministério da Indústria e do Comércio russo propôs o uso de subsídios para estimular as exportações de carros para compensar a queda das vendas no mercado doméstico.

A proposta de estratégia de desenvolvimento para o setor até 2025 foi publicada (em russo) no site oficial da pasta na sexta-feira passada (16).

Expectativa vs. realidade

Em 2016, as exportações russas de automóveis totalizaram US$ 2,4 bilhões. A estratégia apresentada pelo órgão estabelece dois cenários.

O cenário conservador pressupõe que o valor das exportações de carros atinja US$ 4,9 bilhões até 2025. Para isso, será necessário enviar 240 mil veículos por ano, ou 10% de todos os veículos montados no país anualmente. Paralelamente, a Rússia também deveria exportar peças automotivas em um total de US$ 1,6 bilhão ao ano.

Já no cenário ambicioso, as exportações de carros deverão mais que triplicar, para US$ 7,8 bilhões (até 400 mil unidades, ou 16% da produção total), e devem chegar a US$ 2,5 bilhões em termos de peças exportadas.

Enquanto o primeiro cenário estipula US$ 2,4 bilhões em subsídio estatal para a indústria, o último define um valor de US$ 3,7 bilhões.

O programa também define apoio do Estado tanto para fabricantes nacionais quanto empresas internacionais que exportam veículos montados em fábricas russas.

Ainda segundo o documento, no caso das empresas russas, os mercados prioritários para exportação são países da CEI (ex-repúblicas soviéticas, exceto Geórgia e bálticos), Oriente Médio (Irã, Líbano e Jordânia), bem como Alemanha, Índia, China e vários países africanos e latino-americanos; para os fabricantes internacionais, as prioridades serão CEI, Irã, Líbano, Turquia, África do Sul, Egito e Tunísia.

A nova estratégia visa a compensar o declínio das vendas no mercado interno no período de 2013 a 2016. No ano passado, apenas 1,5 milhão de veículos montados na Rússia foram vendidos no próprio país (metade do nível registrado em 2012, quando o mercado ainda estava em crescimento). Paralelamente, as exportações automotivas encolheram 32% desde 2013, de US$ 2,2 bilhões para US$ 1,5 bilhão.

“A estratégia não propõe medidas revolucionárias”, diz Evguêni Eskov, editor-chefe do portal AutoBusinessReview. “Deverá ajudar a aumentar as exportações em geral, mas dificilmente conseguirá compensar as perdas do mercado russo”, completa.

Opinião semelhante é apresentada por Anna Bodrova, analista sênior da corretora Alpari. “Nada pode ser feito sobre o poder aquisitivo na Rússia, que está em declínio há 29 meses seguidos. É por isso que o ministério quer exportar mais”, explica.

Abate de impostos como estímulo

O ministério propõe também a assinatura de contratos de longo prazo (de 7 a 10 anos) com empresas automotivas internacionais para implantar grandes linhas de montagem na Rússia, com uma capacidade de produção anual de 80 mil a 100 mil veículos.

A expectativa é que essa medida garanta a carga de trabalho mínima dessas empresas, com a possibilidade de subsequente localização da produção de peças.

Atualmente, a Rússia possui linhas de montagem pertencentes a Toyota, Nissan, Ford, Renault, Mazda, Hyundai e outras empresas globais. Segundo o ministério russo, essas instalações representam, em valor, 45% de todos os veículos montados no país.

Os principais mercados de exportação de veículos de marcas internacionais montados na Rússia são os países da CEI e do Oriente Médio. A Hyundai, por exemplo, exporta seus carros fabricados no país para CEI, Geórgia, Tunísia, Argélia e Líbano. Já os veículos Renault montados na Rússia, são enviados para Argélia e Vietnã.

Como incentivo para que os fabricantes de automóveis internacionais contratem fornecedores russos de peças, o ministério sugeriu ainda a introdução de um sistema de descontos fiscais para as exportações que poderão ser utilizados para compensar as taxas de importação. O governo russo acredita que tal medida ajudará a aumentar as importações de automóveis internacionais montados na Rússia para 70 mil veículos até 2025 (no cenário conservador), ou para 150 mil carros (no ambicioso).

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.