Maior jazida de petróleo russa será vendida

Produtores de petróleo terão que atrair financiamento em longo prazo e parceiros estrangeiros para garantir as vendas em mercados estrangeiros.

Produtores de petróleo terão que atrair financiamento em longo prazo e parceiros estrangeiros para garantir as vendas em mercados estrangeiros.

Reuters
Condição para leilão é que comprador refine toda a matéria-prima no país. Jazidas tradicionais russas estão quase esgotadas.

Última entre as maiores jazidas terrestres de petróleo da Rússia, a Ergínskoie, no distrito autônomo de Khânti-Mansiisk será vendida em leilão. O preço inicial do lote é de sete bilhões de rublos (US$ 123 milhões) e o vencedor será anunciado em 7 de junho.

As reservas de petróleo exploradas da jazida ultrapassam 64,971 milhões de toneladas e as reservas potenciais são estimadas em 307,2 milhões de toneladas.

Há muitos interessados na compra do depósito - como as companhias russas Rosneft, Gazprom neft, NNK, Surgutneftegaz e Novatek.

Uma das condições do leilão é que a refinação de todo o petróleo da jazida seja executada em refinarias russas. 

Petróleo russo no fim

No final de 2016, Guêrman Gref, diretor do Sberbank, o maior banco estatal russo, declarou que o petróleo bruto do país acabará entre 2028 e 2032.

Mas observadores e produtores de petróleo discordam. Em março, o ministro da Energia da Rússia, Aleksandr Novak, afirmou que as reservas exploradas de petróleo e gás da Rússia durarão mais de 50 anos e que há um enorme potencial em matéria-prima na plataforma continental do Ártico. 

"Fiquei surpreso com esse terrorismo sobre o fim de petróleo”, declarou o ministro de Recursos Naturais e Ecologia da Rússia, Serguêi Donskôi, à agência de notícias Tass.

"Na realidade, nossas reservas tradicionais de hidrocarbonetos exploradas acabarão daqui a pelo menos 30 anos se não investirmos na exploração geológica e em novas tecnologias. Mas continuamos a investir, por isso temos um prazo de 60 anos”, disse.

Segundo analistas, uma parte das jazidas no oeste da Sibéria realmente estão perto de se esgotar.

Mas a Rússia tem uma série de grandes jazidas em termos globais, com bilhões de barris que ainda não foram explorados.

As reservas na plataforma da bacia da Sibéria Ocidental são estimadas em 3,6 bilhões de barris e as da plataforma do Mar de Barents ultrapassam os 7,4 bilhões de barris. 

Porém, a infraestrutura petrolífera nessas regiões deverá ser construída do zero, diz o analista da corretora Alpari, Roman Tkatchuk.

Além disso, os produtores de petróleo terão que atrair financiamento em longo prazo, algo indesejável devido aos baixos preços do petróleo, e parceiros estrangeiros para garantir as vendas em mercados estrangeiros.

"A revolução do xisto nos Estados Unidos demonstrou a existência de petróleo não tradicional. Isso inclui não apenas o petróleo de xisto, mas também a produção de petróleo de areias betuminosas e outros tipos de extração”, relembra Símonov.

“De acordo com nossas estimativas, a exploração da maioria das jazidas na Sibéria Oriental e na plataforma continental se tornará rentável quando o preço do petróleo estiver entre US$ 60 e US$ 80 por barril. Mas a exploração da plataforma ártica exige tecnologias estrangeiras modernas. Assim, o futuro das jazidas também depende do levantamento das sanções econômicas contra a Rússia", diz Tkachuk.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.