Turquia impõe imposto de 130% sobre importação de agrícolas russos

Perdas totais para os agricultores russos podem chegar aos US$ 500 mi

Perdas totais para os agricultores russos podem chegar aos US$ 500 mi

Reuters
Moscou contava antes com isenção de impostos ao exportar produtos do setor. Pressão se deve a restrições russas em relação a produtos turcos, dizem analistas.

Os exportadores russos de grãos, milho, farinha e óleo temem que a súbita e inesperada perda do status privilegiado nas trocas comerciais com a Turquia possa resultar em grandes perdas financeiras, informou o jornal “Kommersant”.

No último dia 15, o governo Ancara excluiu a Rússia da lista de países que gozam de isenção de impostos na exportação de produtos agrícolas à Turquia. Com isso, um imposto de 130% entrou em vigor sobre as exportações russas – o que, em termos gerais, significa a paralização completa das remessas ao país.

“Até o final da atual safra, em junho, os produtores russos poderiam exportar para a Turquia outros 500 mil a 1 milhão de toneladas de trigo, 400 mil a 700 mil toneladas de milho e 250 mil a 350 mil toneladas de óleo de girassol”, diz Andrêi Sizov, diretor do centro de análise Sovekon.

De acordo com o instituto, as perdas totais em oportunidades econômicas para os agricultores russos podem chegar aos US$ 500 milhões.

O Centro Federal de Avaliação da Qualidade e Segurança do Grão informou que, desde o início da temporada anterior até o último dia 20 de março, a Rússia exportou à Turquia 31,7 milhões de toneladas de grãos e produtos para processamento de grãos, 2,1 milhões de toneladas de trigo (46,6% de todas as exportações russas de trigo) e 431.400 toneladas de milho (9,4%). Do total das exportações russas de óleo de girassol nesta temporada (1,1 milhão de toneladas), 370 mil toneladas destinadas a Ancara, segundo o Instituto do Mercado Agrário.

Rússia ressente pressão

Ancara não teceu comentários sobre o tema, mas as associações de exportação turcas garantem que as ações do governo vêm em resposta ao fracasso de Moscou em levantar as restrições aos produtos agrícolas turcos vendidos à Rússia. As medidas foram impostas pelo Kremlin após a derrubada de um bombardeiro russo pela aviação turca em novembro de 2015, gerando uma crise política e diplomática entre os países.

Por exemplo, o governo russo ainda mantém a proibição de importação de tomate da Turquia, que respondia antes por 60% das importações russas do produto.

“Não aceitamos nem negamos as tentativas de pressionar a Rússia para permitir o acesso de produtos agrícolas turcos ao mercado russo em áreas nas quais, nos últimos anos, a produção russa vem se desenvolvendo”, disse o ministro russo da Agricultura, Aleksandr Tkatchev, em 22 de março passado.

Segundo Ígor Pavenski, vice-diretor do departamento de marketing estratégico da Rusagrotran, a questão turca, somada às expectativas da próxima colheita, já causou uma queda nos preços do trigo nacional.

“É possível que os moleiros turcos não consigam aguentar até o fim da temporada sem trigo russo e, assim, sejam obrigados a recorrer a alternativas mais caras”, diz.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook