“Made in Russia” vira selo de exportação

Uniforme da seleção olímpica russa é um dos itens bastante procurados por turistas estrangeiros

Uniforme da seleção olímpica russa é um dos itens bastante procurados por turistas estrangeiros

Evguêni Biatov/RIA Nôvosti
Tecnologia da informação, produtos orgânicos e turismo de saúde podem ser os setores mais beneficiados por iniciativa de promover a Rússia como país exportador.

O banco Vnesheconombank e a Fundação Roscongress, que é responsável pela organização dos principais fóruns de investimento no país, concordaram em promover conjuntamente as exportações russas sob a marca “Made in Russia”.

O acordo, alcançado durante o Fórum Russo de Investimento em Sôchi, no final de fevereiro, prevê suporte publicitário, de marketing, branding e comunicações para a exportação de bens e serviços russos.

Os produtos e empresas russas serão promovidas sob a marca “Made in Russia” nas categorias fabricação, exportação, turismo, cultura, investimento, educação e potencial humano, informou Aleksandr Stuglev, CEO da Fundação Roscongress.

Made in URSS

Os sorvetes russos ganharam fama na China após o presidente Vladímir Pútin apresentá-los a seu homologo chinês, Xi Jinping, durante a cúpula do G20 em 2016. “Pode haver vários outros casos semelhantes ao do sorvete”, sugere Stuglev.

Sorvete russo é febre entre turistas chineses em Moscou (Foto: Aleksêi Furman/RIA Nôvosti)Sorvete russo é febre entre turistas chineses em Moscou (Foto: Aleksêi Furman/RIA Nôvosti)

“Poucas pessoas sabem que, no filme ‘Oblivion’, Tom Cruise tinha um canhão refletor com uma lanterna FL33 V3 produzida pela empresa russa Lux-RC, ou que aros de titânio para bicicleta são fabricados na Rússia para a Triton Bikes, que os vende para atletas, políticos e atores do mundo inteiro”, diz o chefe da Roscongress.

O diretor do departamento de publicidade e relações públicas da Academia Presidencial de Economia Nacional e Administração Pública (Ranepa), Vladímir Evstafiev, lembra que a URSS tinha experiência em promover sua marca nacional.

“O mundo inteiro conhece as marcas ‘Made in URSS’: o coquetel Molotov, o ballet e o filme russo, a música Katyusha, o caviar preto, a vodca Stolichnaya, os caminhões Kamaz, e os carros Lada e Moskvich são exemplos disso”, diz Evstafiev.

Carro soviético Moskvich 42 exposto em feira em 1971 (Foto: Getty Images)Carro soviético Moskvich 42 exposto em feira em 1971 (Foto: Getty Images)

O principal problema em promover a marca “Made in Russia”, segundo o especialista, é que nos últimos 25 anos o Estado não esteve envolvido nesse processo nem alocou dinheiro para publicidade. “O governo deveria estar diretamente envolvido na criação de uma marca nacional.”

Saúde para vender

Diversas empresas apoiam a criação de uma marca nacional e acreditam que seriam capazes de competir internacionalmente. Entre elas estão as companhias de produtos orgânicos e naturais Vkusvill, Eco-botanica e Natura Siberica.

O fundador da TopFranchise.ru, Vasil Gazizulin, acredita que a Rússia também possui potencial para a exportação de produtos de TI, aplicativos móveis, mercados eletrônicos, plataformas de mobile banking móvel e desenhos animados.

“Devemos promover sobretudo os produtos russos com valor agregado – patentes, métodos de gestão e marcas de estilo de vida como Expedition (que produz uma série de itens para viagem)”, afirma Gazizulin.

Natura Siberica é uma das empresas que apoiam criação de selo (Foto: Divulgação)Natura Siberica é uma das empresas que apoiam criação de selo (Foto: Divulgação)

A marca “Made in Russia” poderia ainda ser usada no desenvolvimento de rede de centros de saúde e spas fora dos grandes centros, propõe a presidente da Associação de Turismo de Bem-Estar, Elena Trubnikova.

“As tradições relacionadas ao bem-estar e saúde que surgiram no século 18 podem ser a base para a promoção de uma marca nacional de turismo de saúde”, sugere Trubnikova.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.