Cresce em 58% demanda por visto de negócios para Rússia

Vnúkovo é um dos quatro aeroportos da capital russa

Vnúkovo é um dos quatro aeroportos da capital russa

Evguêni Biatov/RIA Nôvosti
Moscou e São Petersburgo são as cidades russas mais favorecidas por influxo. Queda do rublo e eventos esportivos são alguns dos fatores que contribuem para tendência.

A demanda por vistos para a Rússia na categoria de turismo corporativo tefe um aumento de 58% no ano passado, segundo uma pesquisa da empresa especializada no ramo Aero Club.

Segundo a Aero Club, Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha foram, em 2016, os países com maior número de viajantes a negócios na Rússia. Percebeu-se também um aumento no volume de solicitações de vistos entre os cidadãos da Polônia e da França.

“Desde o início da crise de 2014, muitas empresas estrangeiras limitaram suas viagens de negócios à Rússia e convocaram de volta os expatriados que já atuavam no país”, diz Dênis Matiukhin, diretor-geral da Aero Club.

Ainda de acordo com o estudo, os setores farmacêutico e de bens de consumo, bem como funcionários de construtoras, foram os que mais enviaram seus representantes em viagens de negócios para a Rússia.

Esporte e investimentos

“Devido à desvalorização da moeda nacional russa, o nosso país, e sobretudo Moscou e São Petersburgo, tornaram-se mais atraentes, em termos de preços, como locais para realização de fóruns de negócios, conferências e exposições”, explica Pável Vasin, diretor-geral da empresa BTM (Business Travel Management).

Segundo Vasin, o aumento do interesse por parte de empresários estrangeiros é também resultado de eventos esportivos globais na Rússia, incluindo o Campeonato Mundial de Hóquei no Gelo, em 2017, e as futuras Copa das Confederações da Fifa, em 2017, e a Copa do Mundo, em 2018.

A Rússia está se tornando um destino atraente, e não apenas para turistas convencionais, concorda Svetlana Piatikhatka, diretora-executiva da associação de viagens “The World Without Borders”, especializada em turismo russo-chinês.

De acordo com dados da associação, mais de 760 mil turistas da China visitaram a Rússia no ano passado, o que representa um volume 41% maior que em 2015.

Para Piatikhatka, embora seja difícil precisar o percentual de viajantes a negócios, já se percebe um aumento significativo do interesse de chineses por investimentos na Rússia. “A atividade empresarial está crescendo, há novos projetos de investimento, por exemplo, na região de Sverdlovsk”, diz a especialista.

As empresas russas ainda não dispõem, porém, de dados suficientes para falar sobre o retorno em massa de viajantes a negócios à Rússia, sugere Aleksandr Makliarovski, representante da Associação de Operadores Turísticos da Rússia (Ator). “Não é possível identificar grande parte dos viajantes a negócios, uma vez que a maioria deles entra na Rússia com vistos de turismo”, explica.

A mesma opinião é corroborada por Vasin. “É muito complicado quebrar e interpretar com precisão os fluxos turísticos”, diz. “Por exemplo, um torcedor de esportes que trabalhe para a empresa X e esteja visitando a Rússia em uma viagem de premiação de sua empresa dificilmente pode ser chamado de viajante a negócios. Por outro lado, um indivíduo que chega à Rússia com um visto de turismo, mas irá temporariamente fazer trabalhos no país, também poderia ser classificado assim”, conclui.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.