País aumenta suas reservas de ouro em 15%

País tem atualmente 1.614 toneladas de ouro em reserva

País tem atualmente 1.614 toneladas de ouro em reserva

AFP
A Rússia aumentou a proporção de ouro em suas reservas totais no ano de 2016, principalmente para tentar se salvaguardar de novas instabilidades econômicas. A eleição de Donald Trump pode trazer não apenas elas, mas novas sanções, e o governo quer ficar mais independente das flutuações do mercado internacional.

Em 2016, a Rússia aumentou significativamente suas reservas de ouro. Apenas em dezembro do ano passado, o Banco Central da Rússia adquiriu mais de 10 toneladas de ouro. Segundo o órgão regulador, hoje o país tem 1.614 toneladas do metal precioso, o que é 15% maior do que no ano anterior.

“Nas condições dos preços baixos, o governo costuma aumentar as reservas de ouro. A liquidez do metal no mercado é bastante alta, enquanto os preços variam rapidamente”, explica o professor da Escola Superior da Economia da Rússia, Anton Tabakh.

Economistas avaliam positivamente o desejo da Rússia de aumentar suas reservas de ouro durante o período de incerteza econômica global. 

Segundo ex-diretor da empresa de jóias Adamas, Konstantin Sakharôvski, após a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas, o ouro se tornou um ativo ainda mais importante. “O aumento da proporção de ouro como componente das reservas russas nas atuais condições econômicas e políticas é uma decisão correta", disse.

“Trump é um político pouco previsível, não podemos excluir a possibilidade de uma nova onda de sanções ou congelamento de ativos. É necessário admitir que o preço do metal pode cair, mas, de qualquer maneira, o ouro ajudará a salvaguardar outros ativos russos”, disse.

A Rússia costuma armazenar todas as reservas de ouro no território do país. Sessenta e sete por cento das reservas se encontram do Banco Central de Armazenamento de Moscou e o resto em instituições localizadas nas cidades de São Petersburgo e Iekaterinburgo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.