Bolívia ganhará Centro de Pesquisas Nucleares

Representantes da Rosatom reunidos com o presidente Evo Morales (terceiro da dir. à esq.)

Representantes da Rosatom reunidos com o presidente Evo Morales (terceiro da dir. à esq.)

Dmítri Chustov
País assinou acordo com a Rússia no início de agosto para construção de instituição.

No início de agosto, Rússia e Bolívia assinaram acordo para a construção de um Centro de Pesquisas e Tecnologias Nucleares em território boliviano que foi recebido com excitação pelo presidente boliviano, Evo Morales.  "O acordo permitirá que a Bolívia dê um salto qualitativo no desenvolvimento da ciências e tecnologias", disse Morales.

O diretor do Instituto de Pesquisas Científicas de Física Técnica, Aleksêi Tchasóvski, abriu maiores detalhes à Gazeta Russa e comentou os objetivos da nova instituição.

Qual é o principal objetivo do centro? Ele produzirá energia?

Inicialmente, o projeto foi pensado como um centro de pesquisa. Será uma enorme cidade científica com diversos laboratórios e um reator de baixa potência projetado para realizar experimentos. No total, está prevista a construção de cerca de seis laboratórios de materiais, um laboratório de análise de ativação de nêutrons, radioisótopos e de física do plasma, e um laboratório de tecnologias de radiação na agricultura.

Eses centros científicos serão utilizados para cumprir diversas tarefas. Por exemplo, o laboratório dedicado a tecnologias de radiação na agricultura estudará os benefícios da utilização de radiação na produção de produtos agrícolas. As tecnologias de radiação serão utilizadas na luta contra pragas e bactérias, o que, por sua vez, aumentará os tempos de armazenagem e ajudará a aumentar a exportação.

Maquete do Centro de Pesquisa e Tecnologia Nuclear, em El Alto Foto: DivulgaçãoMaquete do Centro de Pesquisa e Tecnologia Nuclear, em El Alto Foto: Divulgação

Além disso, planejamos construir um dispositivo para irradiar os produtos agrícolas e esterilizar materiais médicos. O centro terá não só laboratórios e reatores, mas também um campus e instalações esportivas. É um projeto muito interessante, uma verdadeira "cidade dentro da cidade".

O centro será seguro para a população?

Sim, com toda a certeza. As instalações industriais estarão localizadas em um edifício isolado, em uma área protegida. Desenvolvemos diversos níveis de segurança. A radiação perde todo seu efeito fora do edifício. O reator será construído seguindo todas as normas de segurança modernas e exigências internacionais.

Como os bolivianos pretendem utilizar as tecnologias de radiação?

As tecnologias de radiação podem ser usadas em muitas áreas. Na minha opinião, em primeiro lugar, a Bolívia precisará dessas tecnologias na agricultura, indústria mineira e medicina. Além disso, as tecnologias de radiação podem ser utilizadas na produção de tubos termoencolhíveis e para desinfectar resíduos médicos.

A Rússia planeja transmitir tecnologia aos especialistas bolivianos?

Sim, o programa de treinamento deve ser aprovado em breve. Os especialistas bolivianos poderão obter formação em diversas áreas necessárias para trabalhar nos laboratórios do Centro. Ensinaremos a metodologia necessária e estabeleceremos contatos diretos entre russos e bolivianos para realizar projetos conjuntos.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.