País busca criar clima de negócios em cúpula da APEC no Peru

Presidência do Peru na cooperação leva a maior atenção a problemas sociais e econômicos do país.

Presidência do Peru na cooperação leva a maior atenção a problemas sociais e econômicos do país.

EPA
Turismo e comércio on-line são principal foco dos russos.

A Rússia buscará melhorar o clima de investimentos e desenvolver o turismo na próxima cúpula da APEC (da sigla em inglês, Cooperação Econômica Ásia-Pacífico), em novembro de 2016, no Peru.

"A Rússia considera a APEC uma ferramenta eficaz para promover interesses comerciais e criar um clima favorável para os investimentos", explica Natália Strapan, diretora do Centro de Pesquisas da APEC da Academia de Economia Nacional e Administração Pública da Rússia.

Somente no ano de 2016, o país realizará mais de 300 eventos, reuniões e projetos no âmbito da APEC. Durante a cúpula, a Rússia irá propor uma maior dedicação à "economia on-line".

"As vendas on-line, que são um sucesso na Rússia, poderiam ser um bom exemplo para muitas economias emergentes. Além disso, a Rússia ocupa posição de liderança em desenvolvimento de capital humano e educação, copreside a reunião de ministros de educação da APEC e participa ativamente na formação da Estratégia Global de Educação da APEC”, diz Strapan.

"Nessas reuniões, a Rússia poderá demonstrar aos parceiros que os investimentos no país são não só benéficos, mas também seguros, e que faz tudo para melhorar as possibilidades e o clima de investimento”, acredita o analista da consultoria financeira Finam, Bogdan Zvártitch.

Outros especialistas, porém, são menos otimistas. “Não acho que a cúpula da APEC trará resultados significativos. O governo russo está perdendo interesse na organização: basta lembrar que, no último fórum, a delegação russa foi chefiada pelo premiê, e não pelo presidente. E ainda não sabemos quem representará a Rússia no fórum no Peru”, diz o diretor da consultoria ThetaTrading, Dmítri Ederman.

A assessoria do presidente russo garante, porém, que a delegação nacional será liderada por Pútin.

Livre Comércio

Fórum que reúne 21 países-membros localizados no Círculo do Pacífico, a APEC visa a promover o livre comércio e a cooperação econômica em toda a região Ásia-Pacífico.

Em 2016, a presidência do Peru na associação deverá jogar o foco nos problemas do país. Assim, Lima propôs que se dê maior atenção a um crescimento econômico qualitativo, ao desenvolvimento de capital humano e ao desenvolvimento dos mercados de alimentos na região.

Segundo Strapan, as prioridades listadas pelo Peru não são tradicionais. O primeiro motivo para isso seria o acordo de livre-comércio da Parceria Transpacífico, promovido pelos Estados Unidos, e o segundo, a criação da Associação de Nações do Sudeste Asiático, em 2015.

Hoje, os problemas socioeconômicos são de importância vital para muitas das economias da APEC. E a Rússia não é uma exceção.

"A principal ideia da APEC, do ponto de vista estratégico, deveria ser a criação de uma zona de livre comércio na região Ásia-Pacífico", acredita Ederman.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.