País investirá em transporte tubular

Projeto teve apoio presidencial, mas prefeitura de Moscou é cautelosa em declarações.

Projeto teve apoio presidencial, mas prefeitura de Moscou é cautelosa em declarações.

Press photo
Cápsulas de transporte a vácuo podem alcançar velocidade de 1.220 km/h. Rússia pode injetar até US$ 100 milhões em projeto do empresário norte-americano Elon Musk.

O Fundo de Investimento Direto da Rússia, junto às empresas internacionais de capital de risco Sherpa Ventures, Formation 8 e Zhen Fund, decidiu anunciou que investirá no projeto de transporte tubular a vácuo Hyperloop One.

A tecnologia foi criada pelo fundador da SpaceX e da Tesla, Elon Musk, e permitirá transportar passageiros e carga a alta velocidade.

As cápsulas de transporte a vácuo do sistema podem atingir velocidades de até 1.220 km/h.

O chefe de análise de mercados da financeira Otkritie Broker, Konstantin Buchuev, explica que o investimento do fundo é sem precedentes.

"É um investimento de alto risco, uma vez que o projeto está em fase de desenvolvimento", diz.

Foto; Press PhotoFoto; Press Photo

De Nevada à Rússia

Durante os primeiros testes em Nevada, em maio de 2016, a cápsula foi capaz de atingir uma velocidade de apenas 120 km/h.

Mesmo assim, o projeto teve amplo apoio do presidente russo, Vladímir Pútin, e do ministro dos Transportes do país, Mikhail Sokolov - que prometeu implementar a tecnologia no Extremo Oriente da Rússia.

Segundo Sokolov, o Hyperloop permitirá transportar carga da China à Europa através do território russo em menos de 24 horas.

Investimento incomum

O capital a ser injetado no projeto é desconhecido, mas economistas russos afirmam que não excederá os US$ 100 milhões.

Segundo o chefe de operações de mercado da consultoria Freedom Finance, Gueórgui Váschenko, a Rússia precisa estudar a implementação de novas tecnologias no exterior para poder avaliar a possibilidade de utilizá-las em território russo.

"O Hyperloop ainda parece um meio de transporte muito exótico", diz Váschenko.

Alguns economistas russos também ficaram surpresos com a decisão do fundo, que foi criado para investimentos apenas em empresas nacionais.

"Não conheço outros exemplos de investimentos do fundo em projetos estrangeiros. É algo incomum”, diz o analista da consultoria MFX Broker, Anton Kraskô.

 

Foto: Press PhotoFoto: Press Photo

 

O diretor do Fundo de Investimento Direto da Rússia, Kirill Dmitriev, explicou à Gazeta Russa o interesse da instituição por essa tecnologia.

"Nossos investimentos no projeto Hyperlook One abrirão acesso às mais modernas tecnologias. Junto a nossos parceiros internacionais, o fundo ajudará no desenvolvimento do projeto não só na Rússia, mas também em mercados do Extremo Oriente e da Ásia", disse Dmitriev.

De acordo com ele, a Hyperloop One será usada inicialmente para o transporte de carga e, depois, de passageiros.

"Discutíamos os primeiros projetos com essa tecnologia com a empresa de ferrovias Russian Railways, e espero que comecemos a testar essa tecnologia na Rússia em breve", disse Dmitriev.

Apoio político

Em junho de 2016, durante o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, o presidente russo se reuniu com os desenvolvedores do Hyperloop e manifestou apoio ao projeto.

Depois disso, o governo de Moscou anunciou que elaboraria um plano de cooperação com o Hyperloop, com o objetivo de desenvolver o meio de transporte na capital russa.

Hoje, porém, a prefeitura de Moscou avalia as perspectivas do projeto com moderação.

"É cedo para falar sobre o uso dessa tecnologia na capital, embora a ideia seja muito interessante”, disse o vice-prefeito de Moscou, Marat Khusnúllin.

O ministro dos Transportes da Rússia, Mikhail Sokolov, diz que a tecnologia será usada, sobretudo, para transportar cargas das províncias do norte da China ao porto russo Slavianka, no Extremo Oriente.

Segundo as estimativas do ministro, o custo do projeto, que contará com o apoio de investidores chineses, ficará entre os 475 e os 634 milhões de dólares.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.