Banco Mundial melhora previsão de crescimento da economia russa

Queda do rublo contribuiu para alterar dinâmica de exportações e importações

Queda do rublo contribuiu para alterar dinâmica de exportações e importações

Vladímir Smirnov/TASS
Reformas econômicas, incluindo a desvalorização do rublo, e aumento do preço do petróleo são fatores-chave para melhor performance do país, dizem economistas.

De acordo com as recentes previsões do Banco Mundial, o PIB russo irá cair em torno de 1,2% em 2016, contra 1,9% previsto anteriormente. Em 2017, o índice apresentará um crescimento de 1,4%, e, em 2018, de 1,8%.

“A economia russa está se adaptando ao novo ambiente melhor do que o esperado”, afirma Serguêi Khestanov, professor do departamento de Finanças na Academia Presidencial da Economia Nacional e Administração Pública da Rússia.

Segundo o economista, o regime de livre flutuação do rublo, que levou à desvalorização da moeda nacional, tornou-se uma dos pilares para adaptação, uma vez que estimula o aumento de exportações e a substituição de importações.

“Pelos dados recentes, 43% do orçamento vem de receitas de exportação, que são calculadas em dólares”, explica Khestanov. “Além disso, quase todos os custos estão em rublos, o que é bastante eficaz na redução do deficit orçamental.”

Paralelamente, os especialistas do Banco Mundial rebaixaram a previsão de crescimento global de 2,9% para 2,4%. Isso se deve, segundo a organização, ao constante desaceleração da economia chinesa: o crescimento do PIB chinês vai cair de 6,9 ​% para 6,7 ​% no final do ano de 2016, prevê o órgão.

Economia diversificada

Ainda de acordo com o recente relatório do Banco Mundial, vários esforços vêm sendo feitos para ajustar a economia russa aos baixos preços do petróleo, aos embargos comerciais e às preocupações geopolíticas.

“Embora necessários para apoiar os ajustes, as políticas fiscais e monetárias mais apertadas também estão pesando sobre o crescimento”, lê-se no documento.

No entanto, segundo os especialistas do Banco Mundial, há indicadores preliminares de que o declínio em alguns setores possa ser revertido em breve.

“A produção industrial está se recuperando, apesar da redução do investimento e do acesso restrito a financiamento externo pelas empresas russas”, alegam.

A adaptação da economia russa às condições difíceis é demonstrada por um “crescimento qualitativo nas indústrias de agricultura, química e alimentícia”, afirma Stanislav Novikov, vice-presidente doe varejo do Grupo Financeiro BKS.

Essas três indústrias foram inclusive citadas pela agência de notícias Bloomberg, em maio passado, como os “novos motores de crescimento” da Rússia, com a “participação da agricultura no PIB russo subindo para 4,4%, o nível mais elevado desde 2003”.

Segundo Novikov, isso tudo indica que a previsão para o PIB da Rússia poderá ser ainda mais otimista. “Talvez, na ausência de choques, a nossa economia vá ser capaz de mostrar um crescimento simbólica já no final deste ano”, diz.

Termômetro do petróleo

Especialistas citam também o aumento dos preços do petróleo como outra razão para a melhoria da previsões para a economia russa. Em 7 de junho, o preço do barril do petróleo bruto tipo Brent ultrapassou a marca dos US$ 51 pela primeira vez desde outubro de 2015.

A previsão anunciada pelo Banco Mundial baseou-se, porém, no preço da commodity estimado em apenas US$ 37 por barril, não levando em conta o aumento recente registrado nos preços do petróleo.

“A questão é que o Banco Mundial é bastante conservador em seus cálculos e baseia suas previsões nos valores médios de um trimestre, seis meses ou um ano”, explica Khestanov.

Para Bogdan Zvaritch, analista do grupo de investimento Finam, as expectativas sobre produção e consumo de petróleo no futuro próximo estão, no entanto, mudando constantemente.

“Isso levará à redução do excesso de produção mundial de petróleo nos próximos anos”, prevê Zvaritch, acrescentando que a tendência terá um impacto positivo sobre as previsões de longo prazo relacionadas à Rússia.

“Se os preços da commodity se mantiverem no nível atual, os especialistas do Banco Mundial serão capaz de ajustar a previsão para o próximo trimestre melhorando-a ainda mais”, complementa Khestanov.

O Banco Central da Rússia também melhorou a previsão para o PIB do país, que deverá cair entre 0,3% e 0,7% em 2016, anunciou a presidente da instituição, Elvira Nabiúllina, na sexta-feira (10). De acordo com a estimativa anterior, acreditava-se que o PIB nacional cairia de 1,3% a 1,5% este ano.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail?   
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.